Celkon lança smartphone com Windows Phone 8.1



  

Os smartphones com sistema operacional Windows Phone ganharam muito mercado recentemente, com a grande variabilidade de modelos que existem até o momento, permitindo que o usuário escolha desde versões de entrada bem básicas até aparelhos tops de linha, com funções muito tecnológicas.

Além da distribuição feita anteriormente pela Nokia, que hoje está sob o domínio da Microsoft, que inclusive lançou recentemente o modelo Lumia 535 como o primeiro sem o logo da Nokia, alguns smartphones com Windows Phone também circulam pelo mercado.

Neste mês de novembro de 2014, a empresa indiana Celkon lançou um modelo de entrada com WP, chamado Win 400. O smartphone é simples, o que permite que tenha um preço bem acessível, mas por enquanto está restrito ao mercado indiano.

Dentre seus principais competidores no país, estão os aparelhos com o Android One, porém, vale lembrar que o mundo de smartphones hoje está dividido em três grandes grupos principais de sistemas operacionais, o Windows Phone (Microsoft), o Android (Google) e o iOS (Apple). Dentre esses, apenas a Apple não possui aparelhos na faixa de preço do Win 400.

Dentre as especificações  técnicas do novo produto, estão:

Processador Qualcomm Snapdragon 200 MSM8212, 1.3 GHz quad core;

– Memória RAM de 512 MB;

– Memória de armazenamento de 4 GB, sendo expansível até 32 GB através de cartões Micro SD;

– Tela de 4 polegadas, do tipo capacitiva e com resolução de 480 x 800 pixels;

– Câmera principal de 5 megapixels, com flash;





– Câmera frontal de 1,3 megapixels;

Dual SIM (duas operadoras diferentes);

– Dimensões: 125,4 mm x 65 mm  x 10,3 mm;

– Peso: 121 gramas;

– Sistema operacional: Windows Phone 8.1.

O Celkon Win 400 será vendido na Índia pelo preço de US$ 80, o que corresponde a aproximadamente R$ 200 (preço baixo para um smartphone com Windows). A aposta da Celkon no sistema operacional é baseada no grande número de adeptos do Windows Phone indianos atualmente.

Ainda não existem informações sobre a venda em outros países, inclusive se os aparelhos chegarão no Brasil.

Por Rannier Ferreira Mendes

Foto: divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *