Perspectivas de vendas de smartphones chineses em 2015



  

O mercado mundial de dispositivos móveis tem crescido a cada ano, tanto que o tráfego mundial na internet nestes aparelhos ultrapassou o de computadores. Com a aceleração nas vendas de smartphones e tablets o mercado tem ganhado diversas empresas sedentas por oferecer novos produtos aos consumidores.  

Pelo que parece as empresas asiáticas, em especial as chinesas, estão se saindo bem no que diz respeito às vendas mundiais de smartphones. Segundo uma pesquisa realizada pelo TrendForce, dispositivos fabricados na China corresponderão até o fim de dezembro a 38,6% do total mundial. Desde o ano de 2011, a participação de fornecedores chineses no mercado internacional tem crescido a uma taxa espantosa de 50% ao ano.  

Para 2015 as projeções são ainda melhores para empresas da China. Apesar da estimativa cair para 17% devido a cortes nos subsídios e a saturação de smartphones no país, os aparelhos celulares do país corresponderão a mais de 40% da produção mundial e podem superar a marca de 50% em 2016. Este número é bastante impressionante tendo em vista que há mercado onde outras fabricantes são bastante fortes, como Estados Unidos, Europa, Japão e Coreia do Sul. 

Entre as principais fabricantes chinesas estão a Xiaomi, que deve desembarcar no Brasil em 2015, a Lenovo e Huawei. Cada uma dessas empresas alcançou a marca de 60 milhões de aparelhos produzidos em 2014. A expectativa é que esse número alcance 100 milhões de unidades fabricadas em 2015.  





A saturação, não só do mercado local, mas também dos mercados desenvolvidos é um grande problema para as companhias. Tendo isso em mente, as companhias chinesas devem investir mais em mercados emergentes como México, Brasil, Índia, entre outros. Visto que os preços dos aparelhos chineses são bastante competitivos, os números de vendas podem ser alcançados no próximo ano. Segundo a pesquisa, o sucesso dessa estratégia é fundamental para o crescimento em 2015.

Por William Nascimento

Smartphones

Foto: Divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *