Qualcomm produziu primeiro celular CDMA a ser vendido anos atrás



  

Qualcommé famosa recentemente pelos seus chipsest Snapdragon e ressalta a existência em mais de 1 bilhão de aparelhos Android, entretanto, houve um momento em que celulares completos eram fabricados pela empresa, da mesma forma como a Apple e Samsung realizam no momento recente. Obviamente, os aparelhos não eram determinados como smartphones, considerando que foram produzidos há 16 anos. Entretanto, podem ser considerados como dispositivos atrativos.

A companhia foi inaugurada em San Diego, Califórnia, em 1985. Ela iniciou seus trabalhos por meio de serviços de localização por satélite, com direcionamento em corporativas de veículos e entregas, bem como circuitos com integração para comunicação digital de rádio. Contudo, foi disponibilizado no ano de 1998 o Qualcomm pdQ, sendo o primeiro aparelho telemóvel CDMA, sistema de comunicação de acesso múltiplo, a ser vendido. Um bom avanço para a tecnologia móvel no mercado, que foi anterior a expansão da conectividade.

Possuindo um design em flip, houve a integração do teclado físico para a parte externa, onde ao ser dobrado, permitia a disponibilidade para botões de atalho e o rodapé da tela. Tendo uma tela LDC 240 x 160 pixels, o aparelho era considerado como um dos melhores no seu ramo. Ele possuía um processador de 16 MHz e memória RAM de 2 GB, e permitia disponibilidade para contas de e-mail e navegação limitada à internet, que eram possíveis através do software Palm OS.

Somado a estes detalhes, o aparelho usava também bateria de lítio que permitia realizar 150 minutos de ligação. Seu peso era de cerca de 277 gramas. Seu preço era de US$ 800, equivalente a R$ 2.097 na cotação recente e na ausência de impostos.





Entretanto, o ramo da empresa de chipsets não se estendeu por um período grande devido ter sido vendida e integrada à Kyocera. Contudo, isto possibilitou que a fabricação de peças fosse posicionada de forma destacada.

Por Felipe Couto de Oliveira

Qualcomm pdQ

Foto: Divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *