Ghosting – Término de relacionamentos na era digital



  

Ghosting é uma expressão inglesa que indica o fim de relacionamentos na era digital.

Desaparecer e deixar o parceiro sem notícias sempre aconteceu, contudo, na era digital esse tipo de comportamento intensificou-se tornando o processo muito mais banal.

A expressão inglesa Ghosting deriva da palavra Ghost, que em português significa fantasma. O termo não requer tantas explicações, afinal, é uma espécie de tradução óbvia utilizada para expressar a maneira que muitos homens e mulheres escolhem para terminar um relacionamento.

Especialistas afirmam que as novas tecnologias contribuem muito para esse tipo de decisão, não há necessidade de discutir o relacionamento, quem não quer mais, simplesmente some. Não responder mensagens, ignorar ligações e até mesmo recorrer aos bloqueios é uma estratégia utilizada para dar um basta na relação.

Para psicólogos, o ghosting tem consequências bastante negativas para as pessoas que sofreram com a prática. A autoestima fica muito comprometida e a busca por respostas chega a ser exaustiva. Já alguns daqueles que se utilizaram disso para dar fim em um relacionamento afirmam que preferem evitar o enfrentamento e o conflito, pois não se sentem confortáveis em dizer que estão insatisfeitos.





Com a popularização dos aplicativos de encontros, todos os dias novos casais se formam. Muitos desses casais buscam objetivos diferentes e não há uma conversa no início a respeito de perspectivas, esse fator acaba contribuindo para o ghosting. A facilidade com que as coisas acontecem por meio da tecnologia pode caminhar no mesmo passo pelo qual as coisas terminam.

Em 2014, o Instituto YouGov realizou uma pesquisa em que 11% relataram ter praticado o Ghosting e 13% sofrido com essa prática. Em outro estudo semelhante, a revista Elle apontou que 26% das mulheres e 33% dos homens, ambos seus leitores, afirmaram já terem praticado ou sofrido o ghosting.

O crescimento da prática é preocupante. Apesar das facilidades que as novas tecnologias proporcionam, elas não dão o direito de agirmos sem pensar no próximo. É preciso rever nossos comportamentos e evitar machucar aqueles que acreditam e confiam em nós.

Por Beatriz 

Ghosting



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *