O fim dos tablets pode estar próximo. Empresas não investem mais em lançamentos e aparelhos podem estar ficando obsoletos.

Há já vários anos atrás, quando o primeiro iPad foi lançado no mercado pela maçã, Apple, houve um grande ''boom'' desses aparelhos no mercado, que ao que pareciam, iriam substituir os computadores, por serem mais portáteis, contarem com telas grandes, ótimas para leitura, navegação na internet e exibição de vídeo.

Na realidade, quando os tablets surgiram, eles substituíram os finados Netbooks, que se acreditava na época, tomaria todo o mercado dos Notebooks, mesmo tendo um hardware mais potente, por serem mais portáteis e fáceis de serem carregados, feitos para tarefas do dia a dia.

Porém, há 3 anos, esse mercado vem perdendo praticamente toda a força que havia conquistado com o iPad e outros modelos. Em 2015, não foi diferente. O número de vendas dos tablets foi novamente menor do que em períodos anteriores.

Em 2015, cerca de 206,8 milhões de tablets, foram vendidos, representando uma queda nas vendas em cerca de 10,1%, em relação ao ano anterior, 2014. Para se ter uma noção do tamanho desses números, no último trimestre de 2015, quando passamos por épocas festivas como o Natal e Ano Novo e número de vendas desses produtos costuma crescer, a queda foi ainda maior, representando vendas 13,7% menores em relação ao mesmo período, no ano de 2014.

Os dados são da IDC, que também diz que por outro lado, o último trimestre foi bom para o iPad Pro, da Apple e Surface Pro, da Microsoft, que atingiram a marca de 8,1 milhões de dispositivos, representando, mesmo com a queda na vendas dos tablets, o dobro de dispositivos se comparado com o ano anterior.

Porém, mesmo com esses dois dispositivos estando em alta, em um mercado que está cada vez mais em baixa, a tendência é que o fim dos tablets esteja cada vez mais próximo, visto que as empresas já sequer se preocupam em fazer lançamentos anuais e bem trabalhados desses dispositivos, estando boa parte dos tablets, ''paralisados no tempo'', contando com configurações de hardware de anos atrás, servindo nesse momento, como uma boa opção mais para usuários que desejam ler livros no dispositivo, uma das melhoras funções dos tablets.

Por Isis Genari

Tablets

Foto: Divulgação


Lumia 950 XL, Lumia 950 e o tablet Surface Pro 4 podem ser lançados com o novo sistema operacional da Microsoft, o Windows 10.

Ao que tudo indica, a gigante Microsoft poderá fazer a apresentação de uma nova geração de aparelhos celulares com o sistema operacional Windows 10. Segundo as especulações que já estão circulando pelos meios de comunicação, muitos especialistas da área já arriscam até em dizer que estes aparelhos poderão ser os aguardados Lumia 950 XL e Lumia 950, bem como o Surface Pro 4.

A fabricante, apesar de ainda não ter divulgado nada de oficial a respeito do assunto, só relatou que possui algumas novidades excitantes para compartilhar sobre os dispositivos Windows 10, mas essas revelações só serão feitas em um evento que será realizado no dia 6 de outubro em Nova York, nos Estados Unidos.

Mesmo que o foco da Microsoft esteja voltado para os dispositivos móveis neste momento, neste evento é esperado que a empresa utilize este evento para, finalmente, revelar qual será a data que irá disponibilizar o sistema operacional Windows 10 para celulares. Esta versão do sistema operacional deve demorar um pouco para chegar até os consumidores, uma vez que ele ainda está em fase desenvolvimento, sendo que, por enquanto, apenas alguns usuários que possuem acesso às versões prévias podem testá-lo.

As notícias de bastidores mais recentes a respeito dos smartphones topo de linha da Microsoft dão conta que os dois próximos aparelhos que serão lançados no mercado irão possuir hardware bastante capacitado, sendo que os seus principais destaques ficarão por conta das câmeras que serão as PureView com incríveis 20 megapixels de resolução. Estas especulações ainda cogitam que o Lumia 950 pode ter uma tela de 5,2 polegadas, enquanto o Lumia 950 XL pode ser lançado com um display avantajado de 5,7 polegadas.

Já em relação ao modelo denominado Surface 4 muito poucas informações estão sendo veiculadas, sendo que as que se sabem até o presente momento são que este aparelho, que é um tablet, chegará ao mercado dotado com um processadores dos modelos Broadwell, porém com versões que têm consumo reduzido de energia, a fim de fazer com que o aparelho tenha uma autonomia ainda maior.

Por Adriano Oliveira

Microsoft Lumia 950

Microsoft Surface Pro 4

Fotos: Divulgação


A Apple já está atrasada para anunciar o seu novo iPad, visto que o mercado já apresentou uma série de novidades e a empresa até agora está devendo uma nova informação ao mercado. Mas não é à toa que a Apple está demorando em fazer o anúncio, pois a empresa está concluindo uma novidade para o aparelho que poderá trazer uma entrada USB! A notícia já foi até confirmada pelo Wall Street Journal.

O novo iPad da Apple vai contar com uma série de novas funcionalidades, para conquistar o posto de "melhor tablet do mercado" e, claro, tornar-se um dos mais vendidos também. Além da entrada USB 3.0, o novo iPad de 12,9" poderá contar ainda com conexão de teclado e também mouse, pois estes acessórios têm sido cada vez mais procurados pelos usuários de tablets.

Os iPads já lançados no mercado disponibilizam apenas uma entrada para fone de ouvido e outra para o cabo de energia. Com estas novas opções, que são antigas reivindicações dos usuários, o iPad ganha novo fôlego para continuar sendo um dos modelos mais procurados, neste tão concorrido mercado de tablets.

O Galaxy Note Pro, que é um dos principais concorrentes do iPad, conta com uma tela de 12". Já o da Microsoft, o Surface Pro 3, já tem a entrada USB 3.0. A intenção da Apple é bater estes seus dois principais concorrentes, lançando o iPad com tela de 12,9" e entrada USB 3.0. Além das conexões para teclado e mouse.

E tem mais um motivo para a Apple estar demorando em divulgar seu novo iPad, é que a empresa está implementando uma tecnologia que vai permitir que o dispositivo tenha sua bateria recarregada em um curto espaço de tempo, o que também seria mais um ponto a favor para a empresa que assim, estaria colocando no mercado, um tablet que realmente traz diferenciais e que atrairiam novos consumidores.

Com todas estas novidades, a previsão é que o novo iPad chegue ao mercado somente no segundo semestre deste ano.

Por Russel

iPad com USB

Foto: Divulgação


A fabricante chinesa Lenovo apresentou nessa segunda-feira (5) diversas novidades, entre elas o novo componente da família de notebooks Yoga e o LaVie Z HZ550, o notebook mais leve do mundo.

– Yoga 3:

O novo modelo traz mais cores versatilidade de uso, facilitando o dia a dia dos usuários.

O Yoga 3 é um modelo que pode ser usado em quatro modos: notebook, tablet, porta-retrato e tenda. Isso porque a tela gira em até 360, possibilitando a versatilidade. As opções de cores são preto, laranja, branco e prata.

Disponível em duas versões, o consumidor poderá escolher entre as telas de 11,6 e 14 polegadas, ambas em Full HD com multitouch de 10 pontos. A primeira opção conta com o processamento do Intel Core M, enquanto na segunda teremos um Intel Core i de quinta geração.

A bateria também será uma boa vantagem, sendo que a promessa da fabricante é de 7 horas de duração. Quanto ao armazenamento, o Yoga 3 estará disponível nas versões de 256GB SSD e 500GB SSHD.

O sistema operacional é o Windows 8.1. O Yoga 3 traz uma série de funcionalidades, como a possibilidade de otimização das configurações em 4 modos, de acordo com o uso. O "Harmonia Inteligente" será capaz de exibir os aplicativos mais usados, sugerir novos apps, além de ajustar o áudio e a iluminação da tela de acordo com o ambiente onde o usuário se encontra.

Lenovo Yoga 3

– LaVie Z HZ550 e LaVie Z HZ750:

O LaVie Z HZ550 foi apresentado pela Lenovo como o notebook mais leve do mundo, pesando apenas 780 g.

Sua tela de 13.3 polegadas conta com 2.560 x 1.440 pixels de resolução. O processamento fica por conta de um Intel Core i5 e a memória RAM é de 4 GB.

Este modelo conta com armazenamento SSD de 128GB expansível com cartão SD.

A versão LaVie Z HZ750 apesar de pesar um pouco mais (925 g), possui especificações semelhantes, com a diferença de ser um conversível.

Os dois modelos chegarão ao mercado dos Estados Unidos em maio, custando US$ 1.300 e US$ 1.500, respectivamente. Ainda não há previsão para lançamento no Brasil.

 

Lenovo LaVie Z HZ550

Lenovo LaVie Z HZ750

Fotos: Divulgação

Por Daniel Cavalcante


O aplicativo Spotify tem tantas funcionalidades que, às vezes, parece que até mesmo seus desenvolvedores se esquecem de divulgar (ou aprimorar) algumas. A função “Connect” – lançada há um ano, é uma delas, e finalmente será utilizada para fornecer comodidade aos usuários, conectando seus dispositivos celulares à área de trabalho do computador. É como se o celular ou tablet fossem um controle remoto para seu desktop, da mesma maneira que já funcionava para dispositivos Wi-Fi como alto-falantes, por exemplo. O único empecilho, digamos assim, é que o serviço é pago, assim como o próprio Spotify.

A utilização é simples: basta certificar-se de que o Spotify está instalado e rodando em sua área de trabalho do PC, abrir o aplicativo no celular, escolher uma música na biblioteca e entrar no menu “tocando agora”. Feito isso, clique no ícone do “Connect” (no canto superior direito da tela).

O aplicativo do celular demorará alguns segundos para localizar seu computador (assim como ocorre com qualquer outro dispositivo sem fio – e às vezes com fio), e quando achar basta selecioná-lo na lista e a música começará a tocar no PC. A partir daí, enquanto ambos, PC e celular, estiverem conectados à internet, o usuário pode procurar músicas, aumentar ou diminuir o volume, etc.

A função já existe, não exatamente igual, em outros aplicativos de acesso remoto ao computador, mas a grande sacada do Spotify é que as músicas não precisam estar armazenadas no PC, o que pode ser extremamente conveniente se você resolve sair de casa e quer continuar ouvindo suas músicas de onde parou, sem precisar correr por sua biblioteca para achar qual foi a última que tocou pelo desktop – ou laptop, porém neste último caso pode ser necessária a utilização de caixas de som.

A nova função do aplicativo pode não ser suficiente para convencer um novo usuário a gastar US$10 (aproximadamente) por mês para ser assinante do Spotify, mas é uma função viciante e com certeza irá fidelizar ainda mais clientes antigos.

Por Felipe Foureaux Freitas

Spotify

Foto: Divulgação


O mundo tecnológico é realmente surpreendente. A cada dia nos deparamos com uma nova descoberta científica, ou com um imprevisível lançamento. A tecnologia não se restringe apenas ao mundo dos eletrônicos, mas a várias outras áreas como a medicina, por exemplo.

Uma recente descoberta dos pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego, conhecida por tornar a cidade um centro de pesquisas em biotecnologia, é um biosensor em forma de tatuagem não definitiva que pode converter suor em eletricidade e vir a alimentar bateria de dispositivos móveis.

A tatuagem é semelhante àquelas que encontramos em chicletes, que saem com o tempo. Essa, estritamente, é feita apenas de tinta, sem mediações radicais no corpo. O desenho que é colocado no corpo contém eletrodos entre dois e três milímetros de tamanho (invisível a olho nu). Esses eletrodos são capazes de produzir quatro microwatts, que equivale à metade da carga gerada em um relógio de pulso.

A energia que deve ser gerada pela tatuagem temporária, depende exclusivamente do suor da pessoa que estiver usando. A eletricidade é conduzida pelo ácido lático gerado em atividades físicas, presente na transpiração liberada pelos poros.

Quinze voluntários passaram pelo teste dessa nova invenção, uma delas conseguiu produzir 70 microwatts por centímetro quadrado de pele. Foi o que mais suou durante os experimentos realizados.
Mas essa tecnologia não foi criada pensando nisso. A tatuagem foi feita para um diagnóstico médico de pessoas com altos níveis de ácido lático e que careciam de tratamento. Daí constataram que uma enzima puxa os elétrons do ácido, tornando-os úteis para baterias de smartphones e gadgets vestíveis.

O objetivo é que futuramente esse tipo de tecnologia possa incentivar, estimular, pessoas a se exercitarem enquanto recarregam seu celular e outros aparelhos ao mesmo tempo. Essa possibilidade traz meios benéficos, como uma vida saudável e menos poluente na viabilização de energia.

O experimento foi apresentado na Sociedade Americana de Química (American Chemical Society) recentemente. A pesquisa foi guiada por Joseph Wang, doutor em Nanoengenharia da universidade norte-americana.

Por Michelle de Oliveira

Tatuagem com biosensor

Foto: Divulgação


Recentemente durante o anúncio relativo ao balanço trimestral, Jen-Hsun Huang, o CEO da Nvidia, deu informações interessantes sobre os futuros planos que poderão se implementados pela companhia ainda em breve. De acordo com o que revelou Huang a empresa não está muito interessada no mercado “convencional” de smartphones, indo basicamente contra a corrente de algumas das principais do setor. Segundo ele a Nvidia pretende agora focar os seus esforços no desenvolvimento de celulares e tablets de ponta, os tais dispositivos apelidados de “superphones”.

Além de dizer que a empresa não está interessada no mercado convencional de celulares, Huang também informou que o interesse fundamental da marca é desenvolver e trabalhar em aparelhos que possam tirar todas as potencialidades e vantagens gráficas que seus processadores Tegra podem oferecer tal como já fazem alguns aparelhos visuais que evitam a ocorrência de uma colisão e displays nos bancos traseiros bem como alguns consoles.

A informação é de que os primeiros produtos que terão o novo processador Tegra 4i deverão ainda ser anunciados no primeiro trimestre. Não faz muito tempo a Nvidia também deu a conhecer que possuía planos em relação a celulares e dispositivos que envolviam nos projetos um processador de 64 bit com 192 graphic cores. Esse dispositivo for batizado de Tegra K1 e traz a promessa de oferecer a mesma qualidade dos consoles para os dispositivos celulares. Já quais os produtos que terão o Tegra K1 integrados deverão ser revelados pela fabricante apenas no segundo semestre deste ano.

Tempos atrás a Nvidia, que é de origem americana, fez sua estreia no mercado de smartphones acessíveis com a integração de seus chips Tegra 3 em aparelhos de diversas marcas como, por exemplo, Motorola, Lenovo e HTC entre outras. Mas com relação a esse ponto acabou ficando um pouco para trás das asiáticas Media Tek e Rockchip quando o ponto é a disputa dos mercados de smartphones mais baratos após o lançamento do Tegra 4. O motivo disso é justamente o fato de que a empresa desenvolvia chips mais avançados e potentes do que esse mercado exigia.

Por Denisson Soares

Processador Tegra 4i

Foto: Divulgação


Outubro promete mais lançamentos na área de tecnologia e a Samsung é uma que já garantiu a próxima novidade para o mês. O novo Galaxy Note 10.1. Mas por enquanto, o novo produto estará disponível apenas nos Estados Unidos. E a estréia está marcada para o dia 10.

O novo Galaxy Note terá uma tela de 10.1 polegadas 2560×1600, câmera de 8 megapixels que grava vídeos 1080p e Android 4.3. Além disso, a companhia trouxe melhorias na caneta que acompanha o dispositivo, a Stylus.

Essa será uma continuação da evolução da geração de Notes da marca. De acordo com o vice-presidente de marketing de tablets da Samsung, Travis Merril, o novo aparelho terá um software premium e design sofisticado e será uma experiência excepcional em produtos do nicho.

A pré-venda ocorreu no dia 27 de setembro, mas ainda não há declarações da marca em relação à sua venda no Brasil. Além disso, a Samsung prometeu para o próximo ano, uma nova versão do lançamento nas cores preto e branco.

Para os interessados que desejam comprar no exterior, o modelo de 16GB custará US$ 549,99 e o modelo de 32GB, custará US$ 599,99

Mais uma vez a empresa coreana que tem ganhado cada vez mais mercado no ramo de telemoveis vem tentando surpreender e conquistar seus clientes mais exigentes.

Por Jaime Pargan


Até final do mês o Google pretende disponibilizar para compra o mais novo aplicativo desenvolvido, o Android Device Manager.

O app, que só funcionará para dispositivos com Android 2.2 ou com um sistema superior, vem ao mercado com a função de localizar o smartphone ou tablet caso o usuário não esteja conseguindo achá-lo. O mais interessante é que mesmo com o aparelho no perfil silencioso, o aplicativo irá fazer com que o eletrônico toque no volume máximo, possibilitando que o dono o encontre.

Outro recurso muito importante é que se o usuário perdeu o smartphone ou tablet e não tem ideia de onde ele possa estar, um mapa poderá guiá-lo até a localização do mesmo.

Caso o dispositivo portátil tenha sido roubado, o dono pode, além de localizá-lo, apagar todos os dados presentes na memória, visto que o Android Device Manager faz possível essa ação. Para acionar essa opção é necessário que a pessoa acesse o site, desta forma poderá tomar a decisão que lhe for efetiva nesse momento. Sugere-se a exclusão dos dados como último recurso.

Por Melina Menezes


Na última quinta-feira, 11 de julho, a Alcatel lançou três smartphones dual-chip e um tablet. Os aparelhos foram batizados de Pixo, Mpop e Idol, já o tablet recebeu o nome de Evo Touch 7 e será exclusividade da operadora TIM. Um fato bem importante é que todos os aparelhos serão fabricados aqui no Brasil e com preços que variam de R$ 399 a R$ 999.

Devido a isenção fiscal da “Lei do Bem”, a companhia decidiu produzir os dispositivos dentro do território nacional, o que deixa os preços muito mais atraentes para os consumidores. O top de linha, Idol, será vendido por apenas R$ 999, mesmo valor cobrado pelo Samsung Galaxy S3 Mini e do Lumia 900 da Nokia.

O Idol conta com tela de 4,7 polegadas, câmera de 8 megapixels, processador dual-core e 16 GB de armazenamento interno. Já os outros dois smartphone: o Mpop conta com câmera de 5 megapixels com filtros, panorâmica, clique de alta velocidade e detector de sorrisos, além de contar com tela de 4 megapixels e Android 4.1; e o Pixo que conta com hardware mais modesto com Android 2.3, câmera de 2 megapixels e 512 MB de armazenamento interno.

O Mpop será vendido por R$ 569 e o Pixo sairá por apenas R$ 399. Além dos celulares, tem também o Evo Touch 7, o novo tablet da linha de produtos da Alcatel. O aparelho ainda não possui valor definido, mas suas especificações serão compostas por processador de 1 GHz, memória RAM de 1 GB, armazenamento interno de 4 GB, conexão Bluetooth, Wi-Fi e 3G.

A fabricação dos aparelho será feita por uma fábrica terceirizada, mas a companhia afirma que tem planos de abrir uma unidade própria em breve no país. A Alcatel informou que no ano que vem pretende lançar novos produtos no Brasil, para aproveitar a popularização do 4G com a Copa do Mundo.

Por Felipe Santos Bonfim


Uma pesquisa feita pela empresa Conecta em conjunto com a WIN (Worldwide Independent Network of Market Research) mostrou que o brasileiro cada vez mais pega gosto pelo uso de smartphones e tablets.

A pesquisa foi realizada em 54 países, entre novembro e dezembro de 2012, e entrevistou um total de 1.000 internautas acima de 16 anos apenas no Brasil, e a nível mundial foram realizadas 54.121 entrevistas.

Os resultados do estudo mostraram que o internauta brasileiro mexe no smartphone em média 84 minutos por dia, enquanto a media mundial é de 74 minutos.

Um fator interessante apontado pela pesquisa, é que mesmo com o advento dos tablets, que possuem telas maiores, os usuários ainda passam mais tempo interagindo com os smartphones. Segundo o estudo os brasileiros passam 79 minutos utilizando o tablet, já a média mundial é de 71 minutos.

E quem ficou por último no gosto dos usuários foram os e-readers, que no Brasil conseguem a atenção diária de seus usuários por uma média de 79 minutos, contra a média mundial de 54 minutos. Os e-readers, ainda não têm uma presença muito grande no Brasil, de acordo com o estudo apenas 1% dos brasileiros possuem e-readers, contra a média nacional de 12%.

Por Francine Cardoso de Araujo


Pessoas que precisam frequentemente digitar textos longos em seu smartphone ou tablet quase sempre reclamam a falta de um teclado "mais tradicional" como o que nos acostumamos a usar ao longo de anos nos computadores pessoais. Esse é um dos maiores inconvenientes do uso de dispositivos móveis, visto que em outros aspectos eles só apresentam vantagens.

Para esse tipo de perfil surgiu o teclado Bluetooth NewLink Experience, ele é compacto, prático e compatível com iOS Apple, Android e Windows Fone. Pesa apenas 300 gramas e pode funcionar a uma distância de até 10 metros do dispositivo o que amplia suas possibilidades de aplicação em apresentações, por exemplo. As medidas são 28,5 x 12,2 x 1,7 centímetros. Funciona alimentado por 2 pilhas AAA com boa autonomia.

As teclas são macias e silenciosas ao digitar, uma pena não ser fabricado no padrão ABNT como estamos habituados por aqui, mais nada que algumas horas de uso não resolvam. O design é bastante elegante com a base em alumínio e teclas arredondadas.

O preço sugerido para o aparelho é de R$ 129,00, aqui no Brasil.

Por Bruno Hardt


Como todos devem saber, o Samsung Galaxy Note é um aparelho que gera muita controvérsia, pois a questão que predomina é se ele é um smartphone ou um tablet. Mesmo assim, ele é um dos aparelhos com Android mais rápidos do mercado e vale a pena conhecê-lo melhor.

Buscando uma nova estratégia para inserir o aparelho em um novo nicho, a Samsung passou a chamar o Galaxy Note de foblet, um telefone unificado a um tablet. Ao mesmo tempo em que o aparelho não é tão amigável para a anatomia da mão humana quando usado como telefone, ele possui uma tela grande com ótima resolução (1280 x 800 pixels) para ser utilizado como tablet. Ainda, o aparelho vem com a caneta stylus, que otimiza a interação entre os dedos e a tela do aparelho.

Em questão gráfica, o aparelho possui ótima capacidade de reprodução de vídeos, além de uma câmera de oito megapixels, o que o torna uma ótima opção para se assistir filmes e fazer filmagens. Além disso, o desempenho do Galaxy Note consegue ser melhor do que o Samsung Galaxy S II.

O sistema operacional do aparelho é Android 2.3 Gingerbread, com processador de dois núcleos com 1.4 GHz, gravação e reprodução de vídeo em 1080p, suporte às redes 3G, LTE e HSPA+, além da tela de 5.3 polegadas HD Super AMOLED que possibilita visualização em até 180 graus.

O preço de venda do Samsung Galaxy Note é de mais ou menos R$ 1.999 e pode ser encontrado em lojas especializadas.

Por Guilherme Marcon


A Samsung está lançando uma nova categoria de smartphones que surpreenderá os amantes de telefones celulares, o Samsung Galaxy Note que, com características inovadoras, une os benefícios de um Tablet com as facilidades de um Smartphone, em qualquer atividade.

O Galaxy Note possui um processador Dual Core de 1.4 GHz, e sistema operacional Android, que proporciona rapidez em suas atividades, aplicativos e funções do aparelho. Possui ainda uma tela Super Amoled de incríveis 5.3" (a maior entre os Smartphones), ótima para visualização de arquivos, fotos e vídeos. É o único aparelho que possui caneta que permite o usuário escrever como se fosse um bloco de anotações.

A câmera de 8 MP possibilita fotos em altíssimas qualidades e gravação de vídeos em Full HD.

O Galaxy Note conta com memória interna 16 GB, com suporte para expansão de até 32 GB com cartão de memória micro SD (não incluso).

O aparelho é alimentado por uma bateria de 2500 mAh, que segundo a fabricante, permite até 17 horas de conversação e até 25 dias no modo espera.

Com apenas 9.6 milímetros de espessura, faz com que o Galaxy Note seja um dos telefones mais finos do mercado.

Por Sérgio Martins dos Santos


A HTC, empresa considerada a quinta maior fabricante de celulares em todo o mundo, lançou dois modelos de smartphones com foco nos usuários do Facebook. A companhia divulgou também o lançamento do primeiro computador tablet, o Flyer que tem tela de 7 polegadas, a qual o usuário poderá manusear com uma caneta stylus.

Aproveitando a boa aceitação do mercado mundial, a HTC inseriu no mercado novas versões dos modelos de sucesso Desire, Wildfire e Incredible. Toda essa leva de novidades está sendo produzida com o sistema Google Android, líder no mercado.

A empresa quer aproveitar o embalo das redes sociais que impulsionou a pequena INQ Mobile, hoje muito bem posicionada no mercado devido aos aparelhos desenvolvidos exclusivamente voltados para esse nicho.

Por Vivian Fiorio


Assim como ocorreu com o iPhone e o iPod, a onda de clones do iPad continua crescendo. Além da HP, Microsoft e uma infinidade de empresas de segunda linha, agora quem confirmou ao lançamento da sua versão foi a Toshiba. A notícia foi dada pelo próprio CEO da empresa japonesa.

Previsto para estar nas lojas no início de 2011, o tablet ainda não tem nome, nem foram divulgadas muitos detalhes do aparelho. De concreto, o que se sabe é que ele terá 10 centímetros. E poderá ter duas telas. Além disso, os usuários poderão escolher entre duas versões: uma com Windows 7 e outra com o Google Android.

A pergunta que todos fazem é se esses clones todos poderão fazer frente ao iPad. Afinal, o tablet da Apple já foi lançado, já vendeu milhares de peças, e todos já conhecem suas qualidades e defeitos. E enquanto os outros só prometem, a Apple faz. E o que todos querem mesmo saber mesmo é quando sai a versão 2.0 do iPad?

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Pop News


Já  foi dito que 2010 será o ano dos tablets. E, aos poucos, a previsão vai se confirmando. E se o iPad vem cada vez mais ganhando concorrentes, o Kindle, leitor de e-books (ou livros digitais, como preferem alguns) da Amazon, não fica atrás. Seguindo a mesma política do ZenPad, cuja a ideia é pegar o iPad pelo preço, surge o Kobo.

O design não deixa dúvida, esse tablet quer ser o Kindle. Mais barato, e com algo mais, embora não possua tantos recursos assim. Pra começar a tela usa a mesa tonalidade preto-e-branca do Kindle. E, por fora, não fosse por um botão azul, ficaria difícil diferenciar um do outro.

O Kobo custará quase  mesmo preço do ZenPad. Mas não tem 3G nem wi-fi, e a memória é de apenas 1GB. A vantagem é que há entrada para cartões SD, que outros modelos ficam devendo. Ele ainda contará com conexão por bluetooth, e uma loja de downloads. Aliás, talvez nem seja preciso se preocupar com isso no início, pois o aparelho já sairá da loja com cem livros na memória.

Por Maximiliano da Rosa





CONTINUE NAVEGANDO: