Confira os 5 smartphones que possuem bateria para durar o dia todo.

Devido ao grande número de empresas que fabricam celulares ao redor de todo o mundo, o número de smartphones vendidos cresce a cada ano. Pois, cada vez mais o espaço entre um lançamento e outro dessas companhias de celulares diminuem com a intenção de serem cada vez mais fortes concorrentes e conseguirem um número maior de compradores. E um dos recursos que as organizações que trabalham com telefonia móvel vêm ajustando é em relação à bateria dos celulares. Pois, essa era uma grande reclamação por parte das pessoas que precisam que o aparelho funcionasse por mais horas ao longo do dia. Se você está procurando um celular que atenda a essas e outras condições confira agora uma lista dos cinco melhores smartphones com bateria que duram mais tempo.

05º lugar: Xiaomi Mi Note 2

Este modelo é fabricado pela Xiaomi empresa com sede em Pequim na China. A Xiomi é uma das maiores fabricantes de celular do país asiático e seus aparelhos figuram na lista dos mais vendidos todos os anos. O Xiaomi Mi Note 2 pode ficar longe do carregador por até 07 horas. Além disso, ele apresenta com uma memória de 64 GB, uma super câmera de 22 megapixels (traseira) e 08 megapixels (frontal). Seus vídeos são todos gravados com resolução 4k a maior qualidade quando se fala em gravação hoje. Com todos estes recursos esse é um ótimo aparelho.

Xiaomi Mi Note 2

04º lugar: Motorola Moto Z2 Play

Com uma grande tradição no mundo da telefonia móvel a Motorola não podia ficar de fora desta lista. A empresa norte-americana atua há muitos anos neste mercado e nos últimos anos vem conquistando ainda mais público, já que está investindo em alta tecnologia para aplicar em seus aparelhos e um deles é o Motorola Moto Z2 Play. A linha Moto também é uma linha de tradição na empresa e com boas vendas ao redor do mundo e um dos seus melhores modelos é justamente o Motorola Moto Z2 Play. Este aparelho pode ficar ligado e longe de carregadores por até 14 horas.

Moto Z2 Play

03ª lugar: Samsung Galaxy J3

A linha Galaxy é um das famílias mais conhecidas quando se fala de telefonia móvel. A Samsung é a responsável por essa linha e já criou diferentes modelos e um deles é o Samsung Galaxy J3. O foco deste texto é falar sobre a durabilidade da bateria do celular e quando se trata disso este modelo não decepciona já que ele dura em média 15 horas. Por exemplo, se você for uma pessoa que trabalha diretamente no celular, respondendo e enviando mensagens e e-mails esse aparelho é ótimo para você. Ele não vai te deixar na mão. Vale a pena dar uma pesquisada nas qualidades técnicas do Samsung Galaxy J3.

Samsung Galaxy J3

02º lugar: Meizu Pro 5

O smartphone vice campeão da lista dos celulares com mais bateria é o Meizu Pro 5. Os países que estão localizados no continente asiático se destacam pela história de tecnologia criada para diferentes aparelhos eletrônicos e com os celulares isso não seria diferente. E a Meizu é considerada uma das grandes empresas deste ramo da China. Um dos seus modelos de maior sucesso é o Meizu Pro 5. A bateria deste smartphone pode ser usado por mais de 15 horas de forma ininterrupta. Além desse primeiro fato incrível agregue isso a um aparelho que conta com uma tela de 5.7 polegadas, um sistema muito bom para tirar fotos e gravar vídeos e além disso tudo uma memória de 32 GB que impede que o aparelho fique travando por exemplo.

Meizu Pro 5

01º lugar: Samsung Galaxy A9

O grande vencedor desta lista é o Samsung Galaxy A9. A linha Galaxy é realmente incrível e com diferentes modelos para agradar aos mais diferentes consumidores. A bateria do Samsung Galaxy A9 pode durar até 23 horas. Devido a esse número surpreendente ele é o grande campeão. Além disso, ele é um telefone muito bonito, com um design moderno e pode ser usado por qualquer pessoa, pois suas funções e recursos são excelentes.

Samsung Galaxy A9

Por Isabela Castro


Novo Moto Power Pack tem como objetivo fornecer mais bateria para os aparelhos da linha Moto Z.

A fabricante Motorola, agora adquirida pela Lenovo já vinha prometendo há um bom tempo o lançamento oficial do novo Moto Snap, o qual tem como objetivo fornecer mais bateria para os aparelhos da linha Moto Z. Chegou a ser apresentado um protótipo na Mobile World Congress de 2017 (a MWC), porém estava previsto para ser lançado no mês de março, mas foi adiado. Entretanto, até que enfim o projeto parece ter chegado ao mercado brasileiro, inclusive algumas imagens do dispositivo já vazaram na internet apresentando até o selo da Anatel.

Um perfil no Google+ famoso por fazer o vazamento de imagens dos dispositivos da Motorola, o HelloMotoHK, publicou fotos que supostamente são reais do novo Moto Power Pack em sua última versão. Ao contrário do que foi apresentado no início deste ano, o aparelho é preto por inteiro e parece ter a espessura que a fabricante prometeu.

Entretanto, o fato que mais importa agora é que se tais imagens forem reais, quer dizer que a Motorola irá comercializar o produto no Brasil.

O novo dispositivo Moto Snap oferta uma carga maior do que a oferecida pela capa da Incipio, que possui 2.700 mAh, o que é suficiente para dar uma carga extra quase completa no Moto Z. Ele tem também a promessa de muito mais fino do que o Snap da Mophie, o qual tem 3000 mAh, porém faz com que o aparelho fique mais pesado e espesso.

O possível preço cobrado pelo aparelho no mercado brasileiro, ainda não é sabido. Nos Estados Unidos, acredita-se que o Snap seja vendido pelo preço de US$ 49, o que em uma conversão direta representa R$ 154.

Não é muito provável que o acessório chegue ao país com um preço tão baixo. Para comparar, o aparelho da Incipio, no site oficial da fabricante, é vendido por R$ 399. Portanto, não crie a falsa ilusão de que o produto seja barato, até porque ainda será adicionado os impostos brasileiros sobre o mesmo.

Enfim, para você qual seria um preço justo para se comprar pelo novo Motorola Power Pack? O único jeito esperar o aparelho chegar às prateleiras.

Por Filipe Silva

Moto Power Pack

Moto Power Pack

Fotos: Divulgação


Confira aqui uma lista com os smartphones de melhor bateria vendidos no Brasil.

Não tem erro, todo mundo adora um aparelho de celular. Alguns usam pouco, somente para falar, outros já usam muito e não desgrudam de seu smartphone por nada. Porém, em um ponto os usuários tinham uma queixa comum, relacionada à durabilidade da bateria, que varia de marca para marca, mas que em todas as marcas do mercado ainda deixavam muito a desejar.

Mas finalmente as fabricantes de aparelhos smartphones, no ano de 2016 resolveram atender aos pedidos desses milhões de usuários, do mundo todo e começaram a trabalhar no desenvolvimento de baterias com uma vida útil mais prolongada.

E dessa forma, 2016 foi um ano marcado por aparelhos com baterias de ótima autonomia, atendendo e agradando os clientes.

A revista EXAME deste mês traz uma matéria em que coloca os três aparelhos smartphones em um ranking que elege os parelhos que oferecem uma bateria de melhor duração. No Ranking da Exame serão classificados apenas os aparelhos que são comercializados no Brasil.

Para a criação da lista foram realizados diversos testes e avaliações no laboratório da EXAME. No laboratório as baterias são colocadas em uso intenso para avaliação do tempo de duração das baterias. Para isso, vídeos são reproduzidos nos aparelhos smartphones, com a tela programada para atuar com o brilho máximo. A avaliação consiste na reprodução de um vídeo no próprio smartphone, sendo que a tela precisa estar com o brilho no máximo e o Bluetooth e Wi-Fi ligados.

Depois da realização dos testes, o ranking ficou pronto e de acordo com os resultados, o primeiro lugar e o segundo foram ocupados pelos aparelhos, cujas fabricantes fizeram altos investimentos no melhoramento das baterias. Sendo assim, o Galaxy A9 da Samsung fica com o primeiro lugar e o Moto Z Play da fabricante Lenovo fica com o segundo lugar. Por sua vez a fabricante Meizu ganha o terceiro lugar na lista com seu smartphone Pro 5.

Para saber o tempo de duração das baterias desses aparelhos que participaram da pesquisa, acesse http://exame.abril.com.br e assista ao vídeo da EXAME.

Dessa forma, essas são as três marcas que oferecem as melhores baterias para usuários brasileiros. Diante da demanda por essa característica, a tendência é que todas as fabricantes façam investimentos nessa área, pois o consumidor está a cada ano mais exigente no que se refere à vida útil de seu aparelho.

Sirlene Montes


Testes revelaram que o desempenho do chipset Exynos 8890 é melhor do que o Snapdragon 820.

O Galaxy S7 decepcionou recentemente, em testes quanto à autonomia da sua bateria nos dispositivos com o chipset da Qualcomm, o Snapdragon  820. Porém, a versão a ser vendida em solo tupiniquim é outra, e essa, aparentemente, apresenta um desempenho muito mais satisfatório para os usuários, segundo dados revelados pelo site Techspot, após a homologação do dispositivo no Brasil pela ANATEL.

Embora, nos testes, também tenha se percebido que a versão com o chipset da Samsung, Exynos 8890, possui um desempenho um pouco abaixo da versão com o Snapdragon 820. Para se ter uma ideia da decepção com a versão com o chipset da Qualcomm, o site PhoneArena realizou testes com essa versão e descobriu que ela é mais lenta até mesmo que o Galaxy S6, que, surpreendentemente, possui uma bateria menos potente que a do novo S7.

Na versão com o Exynos 8890, segundo o site Techspot que realizou testes em dispositivos com o chipsets, o desempenho é muito melhor do que no antigo Galaxy S6 e também, evidentemente, muito melhor do que os obtidos pelo S7 com o Snapdragon 820 da Qualcomm. Embora, vale ressaltar, os testes feitos com a bateria de smartphones com o chipset da Qualcomm, foram realizados por outro site, o PhoneArena.

Para se ter uma ideia de como os resultados obtidos foram diferentes, no teste do Techspot, o  S7 Edge conseguiu cerca de 7 horas de autonomia com brilho em cerca de 50% na tela e acessando a internet a cada 20 segundos, para simular o uso de um usuário real. Com esse resultado, o dispositivo acabou se tornando o mais potente em questão de bateria, com seus 3.600 mAh e a duração de 7 horas, em média.

Outro ponto extremamente positivo para os usuários é que mesmo sem o Quick Charge 3.0, desenvolvido pela Qualcomm, já que o Exynos não possui suporte a versão 3.0, o S7 Edge carrega em apenas 98 minutos, cerca de praticamente 1h 40min, acabando com a desconfiança dos usuários quanto a uma possível demora no carregamento do aparelho já o Quick Charge 3.0 presente.

O Galaxy S7 já está disponível em alguns países do mundo e segue sendo lançado em outros.

Por Paulo Henrique

Galaxy S7

Foto: Divulgação


Nova bateria seria feita de célula de combustível óxido sólido, que poderá substituir as baterias atuais de lítio-íon, aumentando a durabilidade das mesmas.

É fato que um dos maiores problemas dos dispositivos atuais, é a autonomia da bateria dos smartphones, que mesmo com aparelhos cada vez mais avançados, ainda pecam muito, garantindo apenas algumas horas de uso ao usuário sem a necessidade de novo carregamento. Porém, agora uma equipe de pesquisadores da Universidade Pohang de Ciência e Tecnologia, prometem criar uma bateria capaz de durar uma semana.

A Universidade é da Coreia do Sul, e estão tentando substituir as baterias atuais de lítio-íon, que possui diversas limitações, o que resulta nos problemas de autonomia que vemos atualmente.  Eles estão trabalhando em uma célula de combustível óxido sólido, que iria substituir as baterias atuais de lítio-íon, aumentando, e muito, a durabilidade das baterias.

As baterias, aliás, poderiam ser utilizadas tanto em smartphones como outros dispositivos, entre eles, até mesmo carros elétricos e drones. Os pesquisadores também garantem que a célula deverá ser a primeira a ser lançada que conta com o combustível inoxidável poroso além de eletrólito de fina película ainda contando com eletrodos, algo nunca visto anteriormente no mercado mundial.

O lado extremamente positivo da novidade, é que os pesquisadores da Universidade sul-coreana garantem que com essa nova tecnologia, será possível amenizar ainda mais possíveis problemas com superaquecimento, já que os combustíveis possuem baixa emissão de calor.

A nova bateria já passa por testes práticos em smartphones, onde se conseguiu manter um smartphone sem ser carregado novamente, por cerca de uma semana, algo simplesmente incrível para o padrão atual, onde os smartphones duram no máximo horas. Em drones, que também estão passando por testes, foi possível utilizá-los por cerca de 1h sem novo carregamento.

Os pesquisadores não divulgaram nenhum tipo de prazo para o lançamento da tecnologia, embora, como ela já está em estágio aparentemente avançado, já passando por testes, é possível que em breve, caso alguma empresa decida investir na tecnologia, já possamos ver baterias com duração de uma semana em nossos smartphones, algo extremamente útil e positivo.

A tecnologia não é a única a ser desenvolvida para aumentar a autonomia das bateria mobiles, visto que recentemente uma empresa disse estar sendo patrocinada por uma grande fabricante de smartphones para criar baterias com maior autonomia.

Por Paulo Henrique

Bateria


Confira aqui os cinco smartphones com melhor autonomia de bateria do mercado.

Quais são os principais critérios na hora de escolher um modelo de smartphone? Tamanho, resolução da câmera, processador e armazenamento interno são itens que merecem toda atenção na hora de escolher um modelo. No entanto, a duração da bateria é um item muito importante. Conheça aqui cinco modelos de smartphone com a melhor autonomia do mercado.

O Sony Xperia Z5 Premium foi anunciado em setembro de 2015 e conta com bateria de 3.430 mAh. Apesar da quantidade de mAh ser inferior a alguns modelos, após 5 horas de uso moderado apenas 10% da bateria é utilizada. Vale lembrar que dispositivo conta com resolução Ultra HD, o que interfere negativamente no consumo de bateria. O processador utilizado no modelo é o Snapdragon 810, conhecido por exigir muito da bateria e alcançar facilmente os 50ºC.  No entanto, o sistema utilizado pela Sony é bem otimizado e garante várias horas longe da tomada.

O Moto X Force, também conhecido como Motorola Droid 2, é sem dúvidas um dos melhores smartphones topo de linha da atualidade. A empresa optou por uma bateria de 3.760 mAh de capacidade, que em teoria seria capaz de oferecer até 36 horas de autonomia. Em uso moderado, o modelo pode atingir 16 horas com uso de dados móveis ativados. Porém, o dispositivo pode chegar a 10 horas com uso intenso. O modelo também é compatível com a tecnologia Turbo Power, que promete oferecer 8 horas de carga em apenas 15 minutos. O dispositivo possui processador Snapdragon 810, porém, não apresenta aquecimento elevado no modelo da Motorola.

Com o lançamento do Galaxy Note 5, a Samsung  surpreendeu ao oferecer uma bateria de capacidade inferior ao modelo anterior, o Galaxy Note 4. Apesar disso, o Note 5 atinge aproximadamente 9 horas de duração com uso moderado. Além disso, o dispositivo atinge carga máxima em apenas 81 minutos.

O Moto X Play é uma excelente alternativa, pois possui bom desempenho, grande autonomia e preço bastante acessível no país. O dispositivo conta com Android 5.1 Lollipop e bateria de 3.630 mAh. Em tarefas simples, o dispositivo alcança 20 horas, já em uso intenso o modelo alcança a surpreendente marca de 7 horas.

O LG G4 é o atual topo de linha da empresa e conta com bateria de 3.000 mAh, que é capaz de proporcionar 22 horas de autonomia com uso moderado. Além disso, o modelo possui tela de 5.5 polegadas, conectividade LTE e 3 GB de memória RAM.

Vale lembrar, que existem vários modelos capazes de proporcionar boa autonomia e desempenho, como: Moto Maxx, LG G3 e HTC One M9. No entanto, é preciso desembolsar uma boa quantia para obter todos esses benefícios.

Por Wendel George Peripato


Nova bateria teria capacidade de garantir até uma semana de uso nos smartphones.

A bateria dos smartphones e o seu tempo de duração sem um novo carregamento é hoje um dos fatores mais importantes em um smartphone, garantindo maior autonomia ao usuário, ao permitir que o mesmo passe cada vez mais horas e horas na frente do seu dispositivo, navegando na internet, conversando com amigos, jogando, etc. Porém, a duração atual ainda se restringe a horas, em caso de uso contínuo, mas você já pensou em comprar um smartphone e passar 7 dias usando o aparelho, sem ter de recarregá-lo?

É nisso que uma empresa fabricante de smartphones decidiu investir, um investimento em torno de US$ 7 milhões de dólares para que a Holding de Energia Inteligente, empresa que trabalha com o setor de energia há mais de 25 anos, desenvolva uma bateria extremamente potente e que seja capaz de garantir 7 dias de uso aos usuários.

É fato que a evolução das baterias presentes nos smartphones não vem acompanhando o desenvolvimento dos aparelhos como um todo, como em questões como memória RAM, processadores, etc. Agora, segundo a empresa que diz ter sido contratada por uma fabricante de smartphones, a nova bateria utilizará uma célula de combustível pequena e converterá hidrogênio em eletricidade, o que faria com que a energia tivesse sua capacidade de geração aumentada, mas com menos emissões de poluentes.

Com isso, as baterias se tornariam mais "amigas" do meio ambiente, visto que com esse novo modelo de bateria, o vapor de água será apenas um subproduto, diminuindo os impactos ao meio ambiente.

Ainda não há nenhuma previsão sobre quando poderemos ver a tal tecnologia chegar de fato aos smartphones, porém, como o investimento foi alto e esse é um mercado, como dito, estagnado nos últimos tempos, não condizendo com o uso cada vez maior desses dispositivos, é provável que em breve tenhamos ao menos novas notícias sobre o caso.

Podemos ter esperanças de que o lançamento das tais baterias não demore muito, afinal de contas, a empresa responsável pelo desenvolvimento possui mais de mil patentes registradas e o investimento feito na falada bateria não é baixo, aumentando certamente e muito as chances do projeto dar certo.

Por Isis Genari.


Universidade de Stanford está realizando testes em nova tecnologia que previne o risco de aparelhos eletrônicos superaquecerem.

É mais do que evidente que as baterias vêm avançando cada vez mais em duração e os carregadores, na velocidade do carregamento das mesmas. Com um uso cada vez maior de dispositivos móveis, seja Smartphones, Tablets, Notebooks, etc, a necessidade cresce juntamente com isso.

Quem nunca estava conversando com os amigos, vendo vídeos e percebe que a bateria já está no final ou por desatenção (ou preguiça), simplesmente acabou? Ou até mesmo pior, superaqueceu? Com os avanços da tecnologia, essas duas cenas devem se tornar cada vez menos frequentes.

Um dos motivos, não na duração, mas no tempo de vida das baterias, foi anunciado recentemente. A Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, desenvolveu uma nova tecnologia que previne o risco de seu aparelho superaquecer. Com os estudos, foi possível fazer com que as baterias simplesmente desliguem ao ficarem mais quentes que o comum.

Muitos aparelhos até mesmo pegam fogo com o superaquecimento, gerando um grande prejuízo para aqueles que desembolsaram boas economias para comprar um dispositivo móvel.

O resultado obtido pelos pesquisados de Stanford foi possível graças a uma espécie de partícula, que no exato momento em que entra em contato com a camada de carbono, desliga a bateria automaticamente. Porém, não se anime rapidamente. A nova tecnologia ainda está em testes na Universidade, o que deve fazer com que a mesma ainda demore um pouco, para chegar nos smartphones, notebooks, tablets e tanto outros dispositivos móveis que temos hoje em dia.

Mesmo com a chegada futura da tecnologia aos aparelhos, resta saber se o preço para incorporá-la nas baterias será elevado, o que poderia aumentar os já salgados preços de muitos smartphones, por exemplo.

Por outro lado, se a descoberta dos pesquisadores, ainda não está disponível para o mercado e ainda não se sabe qual o preço que pagaremos por ela, certamente, o balanço final será completamente positivo, inibindo muitos acidentes que acontecem com aparelhos que chegam ao ponto de pegar fogo.

Por Isis Genari

Baterias

Foto: Divulgação


Saiba o que verdade e o que não é verdade sobre recarregar as baterias dos celulares.

Será que se eu usar o telefone celular enquanto ele estiver carregando ele vai explodir? Eu devo carregar a bateria do aparelho somente quando a mesma acabar? Essas e outras perguntas vão ser respondidas aqui nesta matéria. Confira!

Preciso mesmo esperar a bateria terminar para recarregar o celular?

Não. Nos manuais da Apple, ela aponta que a bateria pode ser carregada a qualquer hora, sem a necessidade de esperar o uso total da mesma. Os especialistas apontam que para ter uma melhor vida útil da bateria, não se recomenda que o celular seja mantido com 100% de sua energia ou deixar o dispositivo chegar a zero.

Carregadores paralelos (não oficiais) vão causar problemas para o meu celular?

Isso é falso. Os mais adequados, de fato, são os carregadores da mesma marca do aparelho. Porém, quando se estraga um desses, adquirir outro pode ser caro. Nesse momento entram os carregadores paralelos que são mais baratos e funcionam da mesma forma. Você deve tomar cuidado com os carregadores piratas, que são de fabricantes desconhecidos. Faça uma compra com que o produto tenha boa procedência.

Posso deixar o celular carregando uma noite inteira?

Sim. Os smartphones atuais conseguem apontar quando a bateria foi recarregada totalmente e o processo é finalizado.

No modo avião, o telefone vai ser recarregado mais rapidamente?

A diferença será mínima, mas a resposta é sim. O processo será ligeiramente mais rápido do que o usual. O modo avião vai desativar as opções de conexão com redes 3G e Wi-Fi, por exemplo. Com isso, se utiliza menos bateria.

Mas há uma bela desvantagem de que nesse modo você não vai poder enviar mensagens, usar apps online e nem receber chamadas telefônicas. Segundo uma matéria feita pela BBC, o carregamento de 10% do celular nesse modo avião acontece um minuto mais veloz que no processo comum.

Posso usar o celular quando está carregando?

Especialistas dão conta que não há problema em utilizar o aparelho quando o mesmo está carregando a bateria. Há notícias de pessoas que foram eletrocutadas quando telefonaram em um iPhone 5 no momento da sua recarga. Porém, a culpa, em sua maioria, era para carregadores de má qualidade e não originais.  A Apple aponta que o aconselhável é deixar o celular recarregando 10 minutos antes de fazer o seu uso.

Carregar a bateria no PC demora mais?

Isso vai depender da potência elétrica dos aparelhos. Para os iPhones, a potência vai variar segundo as especificações de ordem técnica dos carregadores e dos cabos.

Um carregador de iPhone conta com potência de 5 watts. Já um cabo USB quando ligado ao PC apresenta 2,5 watts. Ou seja, carregar com o carregador usual do celular será mais rápido de fato. 

Carregador de celular


Com o desenvolvimento de diversas tecnologias relacionadas a telas e materiais novos para smartphones, as baterias não tiveram grande avanço, ou seja, elas duram pouco e demoram uma eternidade para serem recarregadas.

Essa realidade já mudou um pouco em relação ao tempo de duração de uma carga completa, com aplicativos e sistemas operacionais otimizados para economizarem energia nos aparelhos. Porém, quando o smartphone é usado intensamente, não há solução a não ser recarregar!

Pensando nisso, a empresa israelense Storedot desenvolveu um novo modo de recarregar bateria de celular que é capaz da dar uma carga completa em uma bateria de 2000 mAh em apenas 3 minutos.

A empresa, que recebe investimentos da Samsung, demonstrou a nova tecnologia em um celular Samsung modificado, já que as baterias comuns encontradas em aparelhos no mercado não são capazes de receber tanta carga em tão pouco tempo, tendo o risco de explodirem.

A corrente necessária para recarregar a bateria pode chegar a 40 A, o que é um valor altíssimo em relação aos 2 A que normalmente são submetidas as baterias da marca do smartphone. Neste caso, a bateria utilizada é feita de um polímero especial e o carregador também é muito mais potente.

Porém, mesmo com investimentos vindos da Samsung, a empresa fabricante da bateria já chamou a atenção de mais de 15 empresas interessadas na tecnologia.

Esse novo modo de recarregar tão rapidamente resolveria muito o problema do consumo rápido da bateria, já que, mesmo acabando relativamente rápida a carga, recarregar seria muito mais rápido.

A Storedot acredita que no ano que vem já será possível encontrar smartphones no mercado com esse tipo de bateria inclusa. Além disso, a empresa já trabalha em outro projeto que promete carregar rapidamente também baterias de maior capacidade.

Vale lembrar que, por ser muito recente a tecnologia, ainda não há informações a respeito de possíveis danos às baterias ao longo do tempo. Para isso, diversos testes precisam ser realizados, de forma que uma melhoria não cause um problema em outro setor.

Por Rannier Ferreira Mendes

Foto: FINBARR O'REILLY / REUTERS


Um dos maiores desafios das empresas do mercado de smartphones é solucionar o problema crônico da duração média das baterias que equipam os aparelhos atualmente. Alguns carregadores portáteis já foram anunciados, mas uma solução definitiva como uma bateria com capacidade maior de carga, sem necessidade da inconveniência de portar outro aparelho ainda não há.

Enquanto isso, a Samsung apresenta alguns recursos para os usuários do Galaxy Note 4, que podem minimizar esse problema. A empresa oferece um kit com bateria extra, além de uma caixa que funciona também como carregador externo. Esse kit já é ofertado no exterior por algo em torno de US$ 38,00, o que representa em real aproximadamente R$ 96,00, o que pode ser considerado um valor razoável pela utilidade do kit.

Neste kit, estão presentes a bateria padrão do Galaxy Note 4, com capacidade de 3220 mAh, além de uma capa para transportar a bateria, esta capa pode ser utilizada como carregador externo e possui uma conexão micro USB para ser conectado na tomada.

A capacidade da bateria do Galaxy Note 4 é considerável, mas não garante tanta autonomia, pois as configurações do aparelho demandam muita energia.

Apesar de não haver previsão oficial da chegada do kit ao Brasil, certamente não deve demorar a chegar, pois a necessidade e utilidade dos produtos facilita a vida de quem preza por ficar um bom tempo longe das tomadas, principalmente porque o produto é um dos poucos smartphones que possui bateria removível, característica que favorece a troca de bateria.

No Brasil, o Samsung Galaxy Note 4 pode ser encontrado, por exemplo, na Leo Eletro pelo valor de R$ 2.300,00. Apesar do alto valor, o custo benefício é excelente, pois as configurações do aparelho dispensam apresentação. Nesta faixa de preço, este é um dos melhores aparelhos do mercado.

Para conferir essas e mais ofertas dos smartphones e comparar os preços em várias lojas para escolher o melhor custo benefício, os usuários podem acessar o seguinte endereço eletrônico: www.buscape.com.br.

Por André César

Bateira extra para o Samsung Galaxy Note 4

Foto: Divulgação


Uma coisa ninguém pode negar: os celulares, de uns tempos para cá, evoluíram, e muito. São tantos recursos que o celular, hoje chamado de smartphone, é considerado praticamente como uma parte do corpo humano. Exageros a parte, o celular é sim uma grande ferramenta e que possui recursos muito úteis para a vida das pessoas. Porém, tais recursos exigiram de seus aparelhos uma bateria muito melhor do que as de antigamente.

Além disso, com o uso constante, a bateria de um celular dura muito menos que antigamente, mesmo com as poderosas baterias já desenvolvidas.

Se você sofre com isso, lá vem um alívio. Pesquisadores da Universidade de  Nanyang, em Singapura, estão desenvolvendo uma bateria que é capaz de recarregar seu celular de 0% a 70% em apenas dois minutos. E para quem pensa que isso é papo futurista e que está bem distante da nossa realidade, esse sonho de consumo pode virar realidade ainda em 2016.

A tecnologia já foi patenteada pelos pesquisadores e a fórmula consiste de baterias de lítio com ânodos de dióxido de titânio em forma de nanotubos 100 vezes mais finos que um fio de cabelo humano. Graças a essas especificações, a superfície de contato dos ânodos aumenta drasticamente, justificando essa recarga tão rápida do dispositivo.

Vida útil prolongada:

Em média, as baterias convencionais têm uma vida útil de 500 recargas até começarem a apresentar defeitos. Já com essa nova tecnologia, a vida útil seria prolongada para até 10 mil recargas, o que contabilizado em tempo daria mais ou menos uns 20 anos.

Inevitavelmente, qualquer pessoa que possui um smartphone reclama por conta da curta duração da bateria. Logo, esse tipo de tecnologia veio para finalizar de vez esse tipo de problema.

Além de útil, esse sistema também é muito simples de ser construído e de fácil adaptação por conta da indústria. Sendo assim, é uma tecnologia superviável.

Vale lembrar que esse tipo de recurso pode ser aplicado a outros setores como o automobilístico. Deixando assim, os carros elétricos, por exemplo, muito mais viáveis. Resta esperar e torcer para que essa ideia dê muito certo.

Por Felipe Henrique de Souza

Bateria inovadora ser? lan?ada at? 2016

Foto: Divulgação


A bateria do iPhone é extremamente pontual. Os usuários do aparelho sabem que logo antes do dia terminar ela tende a acabar, e dependendo do dia, se você exigiu demais dela, bem antes disso. As baterias portáteis adaptadas a cases são uma opção interessante, mas para quem está acostumado com o tamanho do telefone, seja para digitar, navegar, jogar ou guardar no bolso, o aumento no tamanho incomoda bastante. Um cabo USB também ajuda, mas nem sempre você está com o notebook ligado ou tem tempo de ligá-lo só para carregar o telefone, além da recarga desta maneira demorar mais.

Pensando nisso, a Native Union (www.nativeunion.com/br) desenvolveu seu JUMPTM Cable, um combo de cabo USB de 48cm de comprimento que já vem com uma bateria de 800mAh acoplada, pesando apenas 45 gramas e com dimensões de 5 x 5 x 1,3cm, que incomoda bem menos do que as baterias externas que encontramos no mercado, além de funcionar também como cabo para transferência de dados e sincronização, economizando um gadget a mais em nossas mochilas, e facilitando nossa vida, visto que ele se carrega automaticamente, quando conectado ao computador ou adaptador de tomada, após carregar o telefone.

O dispositivo está à venda no próprio site da fabricante (www.nativeunion.com/br), em duas versões, Lightning ou Micro USB. Porém, o preço é um fator desmotivante para um dispositivo que carrega apenas 30% da bateria de um iPhone 5 (ou de 2,5 a 3 horas de conversação, de acordo com o site): R$ 400,00.

A esperança fica na expectativa do produto chegar ao Brasil com um preço mais atrativo, ou para aqueles que querem apenas um cabo USB mais em conta, portátil, prático e diferente do que temos disponível por aqui, no mesmo site encontramos um chaveiro USB, sem a bateria portátil, para iPads, iPods e iPhones por R$ 29,99 ou R$ 39,99 (em uma versão em couro mais elegante).

Por Felipe Foureaux Freitas

 JUMP Cable

JUMP Cable

JUMP Cable

Fotos: Divulgação


Sem nenhuma sombra de dúvida, já é um consenso de que os smartphones entram em nossas vidas para torná-las mais fáceis. Entretanto, uma coisa que “pega” é o fato de que a bateria desses aparelhos raramente aguenta um dia inteiro. O que acaba fazendo com que o usuário tenha que recarregar o aparelho até mais de uma vez durante o dia. E isso vale para todos os modelos, tanto para aparelhos mais humildes quanto aqueles que são topo de linha.

Foi de olho nesse problema que a toda poderosa Microsoft decidiu arrumar uma solução bem prática para questão. Recentemente a empresa de Bill Gates anunciou uma calça que integra um carregamento sem fio embutido. Coisa boa para quem tem o hábito de levar seus aparelhos dentro dos bolsos.

De acordo com as informações divulgadas até o momento, o dispositivo ou calça, como preferirem, começou a ser projetado há seis meses. A criação ficou a cargo de outra gigante, a Redmond que por sua vez fez uma pareceria com o estilista e designer britânico Adrien Sauvage para a grife intitulada de Modern Man. De qualquer forma tudo ainda em sua dita fase conceitual.

A tal calça basicamente é bem parecida com uma roupa comum. A diferença do “modelo” está no fato de que em um dos bolsos da parte da frente está embutida uma placa de carregamento wireless DC 50 da Nokia. A placa é capaz de fazer o carregamento dos aparelhos que tenham suporte para a tecnologia como é o caso do Lumia 930.

Esse tipo de tecnologia de carregamento sem fio tem seus fundamentos em um sistema de recarregamento indutivo usando para isso um campo eletromagnético com o objetivo de transferir dados entre dois objetos. Em outras palavras isso quer dizer mais ou menos o seguinte: basta colocar o aparelho no “case” para que a bateria do mesmo possa ser recarregada.

A calça foi exposta ao público oficialmente em Londres, durante a "London Collections: Men" na terça-feira, 24 de junho.

Por Denisson Soares

Cal?a recarrega celular

Foto: Divulgação


Smartphones com muitos aplicativos, com vários tipos de tecnologias, memória, qualidade de tela, câmeras super potentes entre outras características são as principais motivações para a compra de um smartphone. Agora, outra questão entra na batalha dos celulares para ganhar cada vez mais mercado: as baterias gigantes.

A Nokia mesmo vai lançar um celular capaz de durar até 29 dias em stand by, ou seja, sem precisar carregar a bateria. A marca Philips já anunciou que vai lançar o modelo W6618, um celular com o sistema operacional Android com a capacidade de ficar ligado por um pouco mais de dois meses, ou 66 dias sem precisar de ligar o celular no carregador. O primeiro país com essa inovação é a China, que já tem em seu mercado o novo modelo custando US$ 273, o que gira em torno de R$ 615.

Para ter tamanho tempo sem recarga, as marcas estão criando baterias muito potentes, mas, para que isso aconteça, os itens são em formatos gigantes. A potência do componente é de 5.300 mAh, a maior capacidade já vista no mercado mundial até hoje. Somente os tablets já conseguiram chegar a um nível equivalente de bateria, conseguindo ultrapassar o valor de 4.500 mAh. A Phillips, que já conseguiu colocar o seu smartphone na prática, promete 33 horas sem interrupção de conversação ou 1.604 horas em stand by.

O resto do celular é uma configuração já bastante conhecida no mercado. O modelo vem com Android 4.2 "Jelly Bean", tela touchscreen de 5 polegadas com 540 x 960 pixels de resolução, processador Media Tek quad-core 1.3Ghz, 1GB de memória RAM e entrada para cartão de memórias de até 32GB.

A intenção da marca holandesa é conseguir competir com marcas de celulares já consagradas no mercado mundial: a Samsung e Apple. Até agora o lançamento aconteceu apenas na China, ainda não foi confirmado se o celular será vendido em outros países. 

Por Carolina Miranda

Philips W6618

Foto: Divulgação


Já pensou em utilizar a urina para recarregar um celular? Pois é! Em tempos em que tanto se fala em sustentabilidade, o Bristol Robotics Laboratory, que está sediado na Inglaterra, está engatando um projeto que permitirá transformar a urina em energia elétrica.

O Bristol Robotics Laboratory recebe a ajuda da Fundação Bill and Melina Gates, para financiar este projeto. A Fundação entregou dinheiro para a equipe deste projeto, com a intenção de ajudar na produção desta nova bateria, que seria capaz de recarregar um smartphone.

A ideia é converter os resíduos inexplorados encontrados na urina, recuperar os níveis de energia elétrica nela encontrados e transformá-los em combustível sustentável. Tudo isso ocorre por meio de uma célula contendo micro-organismos capazes de gerar eletricidade utilizando a urina. Segundo os pesquisadores, a urina é rica em produzir essa substância, que favorece as células. Contudo, o grande desafio do laboratório é criar uma grande quantidade desses conversores, para que possam gerar energia suficiente. Essa célula contém a mesma bactéria que é encontrada no solo, no intestino humano e na água de esgoto.

Este é um projeto que, num primeiro momento, pode parecer estranho, mas que a longo prazo pode se transformar em uma grande revolução.

A ideia é que essa novidade, a longo prazo, possa gerar energia para uso doméstico e até mesmo para abastecer alguns povoados menores.

Mas este não é o primeiro projeto em que a urina é a principal matéria-prima. Em 2012, um grupo de adolescentes apresentou em uma feira de tecnologia realizada na Nigéria, um gerador de energia movido a urina. Com um litro da urina, este gerador era capaz de produzir energia para até 6 horas.

A Fundação de Bill Gates está engajada em vários projetos que são vistos de forma estranha pelas pessoas. Além de financiar este, a Fundação está ajudando na criação de um novo preservativo, feito de grafeno, um dos materiais mais resistentes já encontrados até hoje. 

É esperar para ver!

Por Larissa Nalin

Urina pode ser usada para recarregar celulares

Foto: Divulgação


O novo Sistema da Apple é bonito, rápido e bastante atraente aos olhos. A reestilização do SO deu uma nova cara ao iPhone e mostrou efeitos de transição sensacionais além de várias outras melhorias. No entanto, isso tudo vem com um preço que pode ser bastante salgado para quem deseja um aparelho que aguente mais tempo sem recargas.

O primeiro detalhe a ser levado em conta é a necessidade de utilizar um efeito em especial. Aqui, a questão é: se o efeito é dispensável, então é melhor desabilitá-lo. O grande problema é que, em alguns casos a Apple simplesmente não disponibilizou uma forma de desligar alguns efeitos, o que torna o trabalho de economia de energia mais complicado.

Desligue o Parallax – O Parallax é até engraçadinho e interessante no início, mas com o tempo ele passa a ficar enjoativo e acaba se tornando algo dispensável.

Desligue o Airdrop/Bluetooth – Essa dica serve para a maioria dos smartphones atualmente. O Bluetooth consome bastante energia do aparelho e não é sempre que ele será utilizado.

Reduza as buscas por Wi-Fi – Controlar o seu vício na internet também é uma ótima maneira de economizar bateria. A busca incessante por redes Wi-Fi drena a bateria do aparelho muito rapidamente. Se vc sabe que está em um hotspot, e precisa urgentemente de internet tudo bem, só não vá manter o Wi-Fi ativado 24hs por dia.

Retire o brilho automático – Pode parecer estranho, mas o brilho automático consome mais energia se estiver ligado. Ajuste um brilho intermediário de acordo com as suas necessidades e mantenha-o nesse padrão. Agora se o seu brilho fica no máximo o tempo todo, então é melhor continuar com a função automática ligada.

Dessa maneira, a vida da bateria do seu aparelho deve durar o suficiente para que você possa curtir o seu dia-a-dia sem maiores problemas.

Por Ebenézer Carvalho


A produção de inovações e novas tecnologias em termos de celulares não para. As empresas mostram todos os dias modelos novos que superam os antigos e aumentam a rotatividade de artigos nas lojas de todo o mundo, atiçando a vontade e o bolso dos consumidores. A novidade da vez agora é a Samsung, que anunciou a produção em massa de um modelo que promete ainda mais potência do que computadores.

A razão disso seria um novo celular que mostrará maior desempenho com menos consumo de bateria. Parece impossível? Mas não para a montadora. Contando com uma memória LPDDR3, de 20 nanômetros, comparado às de 30nm do mercado, a composição do chip será menor e mais eficiente. Promete-se ainda uma taxa de transmissão que dobra a capacidade dos smartphones mais avançados do mercado.

Ainda não há muita informação sobre o assunto, e nem detalhes sobre o modelo ou o nome que receberá, mas a Samsung já deixa os consumidores na expectativa e ainda mais exigentes com a inovação. A previsão é de que esse celular esteja à venda já no próximo ano, e melhore consideravelmente o desempenho dos telefones celulares e tablets.

Por Fábio G. Santos


Changhong Z9A Changhong lançou o aparelho Z9, um modelo que promete surpreender muita gente, já que ele possui uma bateria de 5.000 mAh. O principal diferencial do modelo da fabricante chinesa é de espantar. A título de comparação, o modelo é superior ao iPhone, que apresenta uma bateria de 1.440 mAh, e o Motorola Razr Maxx HD, com a bateria de 3.300 mAh e que atualmente é o modelo com maior capacidade de bateria vendido no Brasil.

O Z9, da Changchong, é um modelo com 8,99 mm de espessura, com um design de linhas retas, moderno e com botões Home, Back e Multitasking. Ele vem equipado com uma tela de 5,5 polegadas e 720p de resolução, com processador Quad-Core, 1 GB de memória RAM e câmera de 8 MP.

O sistema operacional do Z9 é o Android 4.2 Jelly Bean, que juntamente com o processador de Quad-Core de baixo consumo de energia, faz com que a bateria tenha uma autonomia nunca antes vista em aparelhos desta categoria.

Contudo ainda não há informações da Changchong quanto ao desempenho do modelo em conversação e modo stand by, entretanto seu concorrente direto, o Lenovo P780, permite até 25 horas de conversação utilizando 3G, com uma bateria de 4.000 mAh.

Por Robson Quirino de Moraes


Bateria de smartphoneSmartphones já se tornaram verdadeiras mini-centrais de entretenimento atualmente. Através de aplicativos, é possível visualizar vídeos e sites da internet; ouvir músicas, editar imagens e áudio e uma série de tarefas que melhoram a qualidade de vida do usuário, como dicas de exercícios físicos, controle de peso e localização via GPS.

Mas essa série de tarefas desgasta o aparelho, que conforme o sistema operacional, tende a ter sua bateria carregada praticamente todos os dias, o que consequentemente leva ao desgaste do gadget, travamentos no sistema e vícios na bateria, como quedas repentinas de energia.

Pensando nisso, é cada vez maior o número de aplicativos controladores de energia do celular, que regularizam funções e tarefas, visando à extensão da vida útil do aparelho.

Como a maior parte dos aplicativos são produzidos em outros países  e idiomas, é possível regular as funções do aparelho sem a necessidade de um aplicativo específico, como redução no brilho da tela, redução do tempo limite da tela para que entre em stand by;  uso da rede de dados, tanto Wi-Fi quanto 3G, apenas quando necessário, assim como Bluetooth; regular funções vibratórias da bateria e usar sincronização de dados somente quando necessário.

Com esses cuidados básicos, é possível prolongar a vida útil do aparelho e desfrutar todas as funções disponíveis a qualquer momento.

Por Junior Almeida


O novo smartphone da Samsung, Galaxy S4, surgiu com inúmeras novidades tanto em seu sistema quanto em sua estrutura. No entanto, as novidades não ficam restritas somente a estes dois segmentos.

Os acessórios produzidos especialmente para este novo modelo contam também com um upgrade especial, por exemplo, o carregador que na nova versão é duas vezes mais potente do que a versão anterior.

É evidente que carregar o celular em conexões USB é muito inferior se levarmos em conta o desempenho que as saídas de alimentação domiciliar apresentam. No entanto, nesta nova versão a diferença ficou assustadora. Para se ter uma idéia, o comum de carregadores USB é uma taxa de 500 mA, já o novo carregador proporciona uma taxa 4 vezes maior chegando até os 2 amperes, equivalendo-se a acessórios extras de outros dispositivos tais como tablets.

O antigo modelo já apresentava desproporção do carregamento realizado na tomada para o realizado via USB, no entanto, a diferença muitas vezes passava despercebida. O mesmo já não acontece com o novo Galaxy S4, este sim será carregado muito mais rápido se for inserido em uma tomada domiciliar.

Portanto, não tenha dúvida na hora de recarregar o seu Galaxy S4. De preferência sempre utilize uma saída de alimentação domiciliar (a boa e velha tomada).

Por Fernando Setoue


As inovações não param no mundo dos smartphones, desta vez a novidade está relacionada com um movimento comum na vida cotidiana: caminhar.

Uma empresa americana, a SolePower,  esta buscando investidores que queiram patrocinar os seus estudos respeito a uma palmilha que recarregaria a bateria do smartphone mediante o impacto do calcanhar no chão quando o usuário caminha.

O investimento necessário para começar a produção em massa deste produto inovador giraria em torno a US$ 50 mil.

Segundo os profissionais que desenvolveram a palmilha, andar quatro quilômetros seria o suficiente para carregar a bateria do iPhone.

O procedimento de obtenção de energia seria este: o usuário coloca uma bateria que possui um velcro no calcanhar ou presa no cadarço do calçado, logo aso caminhar, o calcanhar tocará o chão, nesse momento a energia do impacto causaria o giro de um gerador eletromagnético. A energia produzida no processo ficaria armazenada na bateria presa ao corpo ou sapato do usuário.

Este projeto da empresa SolePower vem conseguindo juntar US$ 35 mil no KickStarter, para cada pessoa que doar mais de US$ 75 até o fim do prazo  (falta duas semanas para este terminar), a empresa está garantindo um carregador de presente.

Por Melina Menezes


O Samsung Galaxy S4 foi lançado recentemente, no dia 14 de março nos Estados Unidos. Mas antes mesmo do smartphone ser lançado oficialmente diversos sites especializados na área já informavam que o aparelho chegaria às lojas equipado com um suporte integrado ao aparelho para a recarga de bateria por indução. Em poucas palavras isso quer dizer simplesmente que o Galaxy S4 poderá ser recarregado sem a necessidade de fios e cabos para conexão.

A novidade, que apesar de rumores acabou sendo confirmada pelo site CNET, não é de todo boa. Claro, isso para quem pensa que a Samsung ofereceria o suporte sem  cobrar nada a mais. Para quem quiser ter o recurso em seu smartphone precisará gastar cerca de US$ 100,00 a mais. Isso mesmo! Além do preço gasto na compra do aparelho ainda terá que fazer esse investimento.

De acordo com as informações que foram divulgadas, esse valor citado acima seria dividido entre a capa feita especialmente para este tipo de recurso e o carregador. A capa custaria algo em torno de US$ 40,00 e o carregador, US$ 60,00.

O carregador deverá ser lançado primeiro, em abril. Já a capa tem previsão de chegar às lojas apenas em junho.

Por Denisson Soares


A Nokia faz ótima conjunção de tecnologia e qualidade de vida lançando o seu carregador de celular que deixa o aparelho com carga suficiente de 30 minutos em apenas 10 minutos de pedalada.

Esse carregador pode ser acoplado na bicicleta – podemos comparar àqueles relógios medidores de distância e velocidade. Quando o ciclista atinge uma velocidade de 6 km/h, o aparelho começa a funcionar. Portanto, a Nokia, além de incentivar a prática do esporte, cobra, também, bom desempenho do atleta.

O carregador é compatível com qualquer aparelho da Nokia com carregador de tomada 2 mm. É previsto que esse lançamento da Nokia esteja disponível até o fim do ano.

Por Jeferson Vainer.


Quem já foi acampar, ou viajou para algum lugar mais remoto, que não dispunha de uma fonte de energia para recarregar a bateria do celular sabe como isso é chato. Afinal, ficar sem comunicação com o mundo exterior é algo totalmente fora de cogitação.

Mas se depender da Nokia não precisaremos depender de tomadas ou gadgets movidos à energia solar para recarregarmos nossos celulares. Os sistema utilizado pela gigante finlandesa pretende tornar isso possível apenas utilizando as mãos. Através de um sofisticado mecanismo instalado na bateria, basta girar o aparelho para gerar carga para ela. O princípio do carregador é a energia cinética, ou seja pelo movimento.

O produto ainda está em estágio primitivo de desenvolvimento. E é possível que não saia do papel num período muito próximo. Mesmo assim é bom estar ciente de que as empresas se preocupam em criar formas alternativas de produzir energia.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: MSN





CONTINUE NAVEGANDO: