Confira aqui uma lista com os smartphones de melhor bateria vendidos no Brasil.

Não tem erro, todo mundo adora um aparelho de celular. Alguns usam pouco, somente para falar, outros já usam muito e não desgrudam de seu smartphone por nada. Porém, em um ponto os usuários tinham uma queixa comum, relacionada à durabilidade da bateria, que varia de marca para marca, mas que em todas as marcas do mercado ainda deixavam muito a desejar.

Mas finalmente as fabricantes de aparelhos smartphones, no ano de 2016 resolveram atender aos pedidos desses milhões de usuários, do mundo todo e começaram a trabalhar no desenvolvimento de baterias com uma vida útil mais prolongada.

E dessa forma, 2016 foi um ano marcado por aparelhos com baterias de ótima autonomia, atendendo e agradando os clientes.

A revista EXAME deste mês traz uma matéria em que coloca os três aparelhos smartphones em um ranking que elege os parelhos que oferecem uma bateria de melhor duração. No Ranking da Exame serão classificados apenas os aparelhos que são comercializados no Brasil.

Para a criação da lista foram realizados diversos testes e avaliações no laboratório da EXAME. No laboratório as baterias são colocadas em uso intenso para avaliação do tempo de duração das baterias. Para isso, vídeos são reproduzidos nos aparelhos smartphones, com a tela programada para atuar com o brilho máximo. A avaliação consiste na reprodução de um vídeo no próprio smartphone, sendo que a tela precisa estar com o brilho no máximo e o Bluetooth e Wi-Fi ligados.

Depois da realização dos testes, o ranking ficou pronto e de acordo com os resultados, o primeiro lugar e o segundo foram ocupados pelos aparelhos, cujas fabricantes fizeram altos investimentos no melhoramento das baterias. Sendo assim, o Galaxy A9 da Samsung fica com o primeiro lugar e o Moto Z Play da fabricante Lenovo fica com o segundo lugar. Por sua vez a fabricante Meizu ganha o terceiro lugar na lista com seu smartphone Pro 5.

Para saber o tempo de duração das baterias desses aparelhos que participaram da pesquisa, acesse http://exame.abril.com.br e assista ao vídeo da EXAME.

Dessa forma, essas são as três marcas que oferecem as melhores baterias para usuários brasileiros. Diante da demanda por essa característica, a tendência é que todas as fabricantes façam investimentos nessa área, pois o consumidor está a cada ano mais exigente no que se refere à vida útil de seu aparelho.

Sirlene Montes


Confira aqui os cinco smartphones com melhor autonomia de bateria do mercado.

Quais são os principais critérios na hora de escolher um modelo de smartphone? Tamanho, resolução da câmera, processador e armazenamento interno são itens que merecem toda atenção na hora de escolher um modelo. No entanto, a duração da bateria é um item muito importante. Conheça aqui cinco modelos de smartphone com a melhor autonomia do mercado.

O Sony Xperia Z5 Premium foi anunciado em setembro de 2015 e conta com bateria de 3.430 mAh. Apesar da quantidade de mAh ser inferior a alguns modelos, após 5 horas de uso moderado apenas 10% da bateria é utilizada. Vale lembrar que dispositivo conta com resolução Ultra HD, o que interfere negativamente no consumo de bateria. O processador utilizado no modelo é o Snapdragon 810, conhecido por exigir muito da bateria e alcançar facilmente os 50ºC.  No entanto, o sistema utilizado pela Sony é bem otimizado e garante várias horas longe da tomada.

O Moto X Force, também conhecido como Motorola Droid 2, é sem dúvidas um dos melhores smartphones topo de linha da atualidade. A empresa optou por uma bateria de 3.760 mAh de capacidade, que em teoria seria capaz de oferecer até 36 horas de autonomia. Em uso moderado, o modelo pode atingir 16 horas com uso de dados móveis ativados. Porém, o dispositivo pode chegar a 10 horas com uso intenso. O modelo também é compatível com a tecnologia Turbo Power, que promete oferecer 8 horas de carga em apenas 15 minutos. O dispositivo possui processador Snapdragon 810, porém, não apresenta aquecimento elevado no modelo da Motorola.

Com o lançamento do Galaxy Note 5, a Samsung  surpreendeu ao oferecer uma bateria de capacidade inferior ao modelo anterior, o Galaxy Note 4. Apesar disso, o Note 5 atinge aproximadamente 9 horas de duração com uso moderado. Além disso, o dispositivo atinge carga máxima em apenas 81 minutos.

O Moto X Play é uma excelente alternativa, pois possui bom desempenho, grande autonomia e preço bastante acessível no país. O dispositivo conta com Android 5.1 Lollipop e bateria de 3.630 mAh. Em tarefas simples, o dispositivo alcança 20 horas, já em uso intenso o modelo alcança a surpreendente marca de 7 horas.

O LG G4 é o atual topo de linha da empresa e conta com bateria de 3.000 mAh, que é capaz de proporcionar 22 horas de autonomia com uso moderado. Além disso, o modelo possui tela de 5.5 polegadas, conectividade LTE e 3 GB de memória RAM.

Vale lembrar, que existem vários modelos capazes de proporcionar boa autonomia e desempenho, como: Moto Maxx, LG G3 e HTC One M9. No entanto, é preciso desembolsar uma boa quantia para obter todos esses benefícios.

Por Wendel George Peripato


Nova bateria teria capacidade de garantir até uma semana de uso nos smartphones.

A bateria dos smartphones e o seu tempo de duração sem um novo carregamento é hoje um dos fatores mais importantes em um smartphone, garantindo maior autonomia ao usuário, ao permitir que o mesmo passe cada vez mais horas e horas na frente do seu dispositivo, navegando na internet, conversando com amigos, jogando, etc. Porém, a duração atual ainda se restringe a horas, em caso de uso contínuo, mas você já pensou em comprar um smartphone e passar 7 dias usando o aparelho, sem ter de recarregá-lo?

É nisso que uma empresa fabricante de smartphones decidiu investir, um investimento em torno de US$ 7 milhões de dólares para que a Holding de Energia Inteligente, empresa que trabalha com o setor de energia há mais de 25 anos, desenvolva uma bateria extremamente potente e que seja capaz de garantir 7 dias de uso aos usuários.

É fato que a evolução das baterias presentes nos smartphones não vem acompanhando o desenvolvimento dos aparelhos como um todo, como em questões como memória RAM, processadores, etc. Agora, segundo a empresa que diz ter sido contratada por uma fabricante de smartphones, a nova bateria utilizará uma célula de combustível pequena e converterá hidrogênio em eletricidade, o que faria com que a energia tivesse sua capacidade de geração aumentada, mas com menos emissões de poluentes.

Com isso, as baterias se tornariam mais "amigas" do meio ambiente, visto que com esse novo modelo de bateria, o vapor de água será apenas um subproduto, diminuindo os impactos ao meio ambiente.

Ainda não há nenhuma previsão sobre quando poderemos ver a tal tecnologia chegar de fato aos smartphones, porém, como o investimento foi alto e esse é um mercado, como dito, estagnado nos últimos tempos, não condizendo com o uso cada vez maior desses dispositivos, é provável que em breve tenhamos ao menos novas notícias sobre o caso.

Podemos ter esperanças de que o lançamento das tais baterias não demore muito, afinal de contas, a empresa responsável pelo desenvolvimento possui mais de mil patentes registradas e o investimento feito na falada bateria não é baixo, aumentando certamente e muito as chances do projeto dar certo.

Por Isis Genari.


Smartphones poderão ter suas baterias recarregadas por meio de um transmissor que envia a energia por meio de ondas de radiofrequência e um receptor no aparelho é responsável por captar esses sinais e convertê-los para o uso da bateria.

Se você tem aversão aqueles fios que estão sempre embolando ou que se perdem dentro da bolsa, não gosta de carregar o carregador de seu celular, ou fica frustrado quando precisa carregá-lo e descobre que esqueceu o carregador em casa, você pode adorar a nova tecnologia que está por vir.

A empresa Energous Corporation pretende acabar com a necessidade de carregadores, e também com a preocupação que nos aflige quando a bateria está acabando. A nova tecnologia funciona do seguinte modo: um transmissor envia a energia por meio de ondas de radiofrequência (bem parecido com a tecnologia de Wi-Fi) e um receptor no aparelho é responsável por captar esses “sinais de energia” e convertê-los para o uso da bateria.

O controle do sistema ficará por conta de um software que poderá ser customizado e rodará em segundo plano nos celulares.

Para que a implementação da tecnologia seja viável, os futuros aparelhos de celulares e computadores devem vir equipados com o aparelho, e para que isso ocorra, a empresa já está em contato com as principais fabricantes destes aparelhos.  A intenção é que não seja preciso algum tipo de adaptador ou outro aparelho.

A empresa afirma que a tecnologia já está praticamente pronta. Sua finalização para uso comercial deve ser dar em torno de 2016 ou 2017, quando os primeiros aparelhos que não precisarão de carregador chegarão às prateleiras dos consumidores.

É uma nova era para os usuários de smartphones que estão sempre conectados. Chegará ao fim a falta de contato pelo fim da bateria dos aparelhos, ou o desespero causado pela aproximação de seu fim. Agora o uso de smartphones não terá limites. Basta estar perto de um transmissor de energia para que sua bateria seja carregada automaticamente. O que nos faz pensar: será que o uso indiscriminado desses aparelhos trará algum problema para as gerações futuras? Essa conectividade constante será um problema daqui a alguns anos? 

Por Patrícia Generoso

Baterias de smartphones

Foto: Divulgação


Pesquisadores criaram nova bateria de alumínio que pode ser recarregada de maneira rápida e eficiente

Uma descoberta foi divulgada na Universidade de Stanford esta semana e promete revolucionar o mundo da tecnologia, especialmente dos smartphones e notebooks. Cientistas desta Universidade, localizada na cidade de Stanford, Califórnia, desenvolveram um tipo de bateria para celulares diferente: ela é feita de alumínio e, por incrível que pareça, recarrega totalmente em menos de um minuto.

O mecanismo da descoberta é simples: ao invés dos comuns íons de lítio, agora, são utilizados íons de alumínio, que têm o mesmo potencial dos primeiros. Assim, além de carregar de maneira rápida e eficiente, a nova bateria é flexível, durável e, também, segura. Ou seja, isso significa que as chances dessa bateria explodir ou pegar fogo são menores.

De acordo com o professor de Química da Universidade de Stanford e responsável pela pesquisa, Hongjie Dai, essa bateria desenvolvida é realmente dos sonhos. Isso significa que ela é composta por eletrodos de baixo custo, é segura, carrega numa velocidade inimaginável, possui um ciclo de vida longo e, é flexível. Em termos mais práticos, a bateria desenvolvida pela universidade americana pode aguentar mais de 7.500 ciclos, sem perder a capacidade. Já as baterias comuns, as de lítio, usadas nos smartphones, suportam, no máximo, 1.000 ciclos.

Em relação às baterias utilizadas hoje, a de alumínio oferece uma tensão menos elevada  do que as de lítio, que chegam a produzir de 3,7 V a 4,2 V. Se comparadas a outras baterias feitas também de alumínio, a desenvolvida produz tensão maior.  

No entanto, esta bateria ainda não está pronta para chegar ao mercado, pois ela ainda precisa de algumas melhorias. Para a equipe da Universidade Stanford, que é chefiada por Dai, conseguir produzir essa nova bateria de alumínio em massa é uma meta a ser atingida, afinal, facilitaria a vida de muita gente, principalmente dos aficionados por tecnologia, afinal, ninguém gosta de ficar desconectado do mundo.  

Por Andréa Corneli Ortis

Bateria de alumínio

Foto: Divulgação


A chinesa Xiaomi, que vem ganhando cada vez mais destaque também aqui no Brasil com seus recentes anúncios, já é conhecida lá fora por suas baterias externas de excelente qualidade. Um de seus produtos mais recentes é a bateria de 10.400 mAh. Dessa vez, a fabricante foi muito além, lançando uma bateria externa de 16.000 mAh.

Essa notícia correu pelos sites de notícia no mês de novembro, antes do lançamento. Mas, agora que o produto foi lançado, podemos conhece-lo melhor.

Sabemos que a bateria é um dos grandes vilões dos dispositivos mobile. Este parece ser um mercado em que as empresas começam a disputar cada vez mais para oferecer soluções eficazes e inovadoras.

A presença da Xiaomi nesse segmento pode ser sinal de que haverá uma concorrência lançando produtos com preço acessível, afinal, essa é uma das marcas desta fabricante que já é a terceira maior na fabricação de smartphones no mundo.

A bateria externa é simples e vem em uma embalagem branca minimalista, acompanhada de um cabo USB para recarga. Possui duas saídas USB, ou seja, é possível recarregar até dois dispositivos ao mesmo tempo. Nas laterais há led indicando a carga disponível.

Com acabamento em alumínio, o aparelho inclui um chip de proteção de circuitos fabricado pela Texas Instruments, além de um controlador inteligente de carga e descarga para previnir de curto-circuitos e picos de energia.

Especificações:

– Capacidade: 16000 mAh

– Interface: Micro USB (entrada), 2x USB (saída)

– Input: DC 5V, 2.0A

– Output: DC 5.1V, 2.1A

– Tempo de carga: 7,5 horas aproximadamente com um cargador de 5V/2A

Detecção automática de conexão e desconexão de dispositivos

Controle de temperatura

O valor da bateria é de 129 Yuan (R$ 50). Já está à venda em lojas virtuais no hemisfério norte, mas ainda não há informações sobre lançamento no Brasil.

No entando, a Xiaomi tem bastante interesse em iniciar suas atividades por aqui, então podemos aguardar por notícias em 2015.

Por Daniel Cavalcante

Foto: divulgação


Um dos problemas da era dos smartphones é a durabilidade das baterias. Quando muito usados, os aparelhos têm pouca autonomia, principalmente devido ao uso da tela e dos sistemas operacionais. Mesmo com várias opções de economia de energia, se você usa muito o aparelho, dificilmente ele aguenta um dia inteiro.

A Motorola sempre teve problema em desenvolver uma bateria que durasse o suficiente para deixar seus clientes felizes. Desde os primórdios, suas baterias duram pouco. Garante que o Moto G tem uma bateria que dura bem. Testamos o Moto G e o Moto X. Com a carga máxima e usando o WattsApp ininterruptamente, fazendo e recebendo ligações, enviando mensagens de texto e às vezes jogando um pouquinho, o Moto G conseguiu ficar ligado das 08h às 15h12. O Moto X apagou antes das 14h30.

Aparelhos da Samsung e Nokia tiveram resultados semelhantes, sendo que a Nokia teve vida útil maior, chegando perto das 17h. No quesito Recarga de bateria, ou seja, quanto tempo precisa ficar na tomada para recarregar, os modelos da Motorola estavam com a carga máxima em no máximo 2 horas. Samsung precisou de quase 3 horas e Nokia, 3,5 horas.

Mas esses problemas podem estar perto do fim. O próximo ano promete aparelhos com cargas que duram semanas, meses e até eternamente. O Nokia 225 promete carga durante 36 dias, ou até 48 dias dependendo de como o celular for usado. A Nokia também traz o TAG Heuer. Esse traz a promessa de realizar o nosso maior sonho desde que os celulares foram inventados: bateria infinita. Uma tela de cristal de safira se encarregará de manter a bateria do telefone sempre cheia. Enquanto não temos acesso a essas tecnologias, podemos economizar uma “carguinha” mantendo o telefone em Stand by quando não estivermos usando, não acionar a tela a todo momento, pois aquela “carguinha” perdida pode fazer muita falta para uma ligação de emergência.

Por Luciana Viturino

Moto G e Moto X

Nokia 225

Nokia TAG Heuer

Fotos: Divulgação

 


O mundo tecnológico é realmente surpreendente. A cada dia nos deparamos com uma nova descoberta científica, ou com um imprevisível lançamento. A tecnologia não se restringe apenas ao mundo dos eletrônicos, mas a várias outras áreas como a medicina, por exemplo.

Uma recente descoberta dos pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego, conhecida por tornar a cidade um centro de pesquisas em biotecnologia, é um biosensor em forma de tatuagem não definitiva que pode converter suor em eletricidade e vir a alimentar bateria de dispositivos móveis.

A tatuagem é semelhante àquelas que encontramos em chicletes, que saem com o tempo. Essa, estritamente, é feita apenas de tinta, sem mediações radicais no corpo. O desenho que é colocado no corpo contém eletrodos entre dois e três milímetros de tamanho (invisível a olho nu). Esses eletrodos são capazes de produzir quatro microwatts, que equivale à metade da carga gerada em um relógio de pulso.

A energia que deve ser gerada pela tatuagem temporária, depende exclusivamente do suor da pessoa que estiver usando. A eletricidade é conduzida pelo ácido lático gerado em atividades físicas, presente na transpiração liberada pelos poros.

Quinze voluntários passaram pelo teste dessa nova invenção, uma delas conseguiu produzir 70 microwatts por centímetro quadrado de pele. Foi o que mais suou durante os experimentos realizados.
Mas essa tecnologia não foi criada pensando nisso. A tatuagem foi feita para um diagnóstico médico de pessoas com altos níveis de ácido lático e que careciam de tratamento. Daí constataram que uma enzima puxa os elétrons do ácido, tornando-os úteis para baterias de smartphones e gadgets vestíveis.

O objetivo é que futuramente esse tipo de tecnologia possa incentivar, estimular, pessoas a se exercitarem enquanto recarregam seu celular e outros aparelhos ao mesmo tempo. Essa possibilidade traz meios benéficos, como uma vida saudável e menos poluente na viabilização de energia.

O experimento foi apresentado na Sociedade Americana de Química (American Chemical Society) recentemente. A pesquisa foi guiada por Joseph Wang, doutor em Nanoengenharia da universidade norte-americana.

Por Michelle de Oliveira

Tatuagem com biosensor

Foto: Divulgação


É fato que os smartphones fazem cada vez mais parte do nosso dia a dia. Atualmente eles não são usados unicamente para realizar e receber ligações, enviar ou receber SMS, hoje em dia, usamos para vários meios interativos, como acesso à internet, uso de aplicativos que facilitam atividades diversas e por isso, cada vez mais as baterias duram menos.

O mercado já possui aparelhos, a exemplo do HTC ONE M8 e o Samsung Galaxy S5 que usam de funções que contribuem por prolongar o tempo de vida útil da bateria. Mas nem todo mundo possui estes aparelhos, e para estes usuários não ficarem “na mão” o mercado também já faz uso de alguns aplicativos que são usados para auxiliar na maior durabilidade de sua bateria, são eles:

1 – One Touch Battery Saver:

Um aplicativo muito fácil de ser usado. Com um simples toque na tela do app o mesmo passa a operar.

2 – Zdbox:

Este aplicativo disponibiliza oito funções úteis para seu smartphone, entre elas a economia da bateria. Ele é também capaz de mover softwares para o cartão de memória SD, além de que o mesmo oferece formas de silenciar o aparelho inativando todo tipo de aviso sonoro.

3 – Battery Doctor By Ksmobile:

Este aplicativo é usado para otimizar o tempo de bateria, exibindo recursos de SO ao lado de cada um deles.

4 – Android Booster Free:

Este app é um gerenciador bem completo e permite que você confira todos os dados do sistema, como detectar falhas, confere o uso de memória e monitora o uso da bateria informando as atividades que ainda podem ser utilizadas com a carga atual.

5 – Batteryxl – Battery Saver:

Este aplicativo permite a criação de um perfil de usuário que determina as ações automáticas que auxiliam e economizam energia.

6 – Battery Defender:

Este aplicativo informa uma espécie de relatório que passa informações relevantes, incluindo o percentual de carga, temperatura e voltagem. O app também disponibiliza painel de atalhos capaz de gerenciar conexão Wi-Fi, rede de dados, GPS e Bluetooth.

Por Jaime Pargan

Baterias de smartphones

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: