BlackBerryFalar sobre a situação da BlackBerry nos últimos tempos virou quase que rotina no mundo tecnológico. A empresa, que em tempos não muito distantes era a líder isolada para o mercado corporativo de smartphones, busca agora uma pequena fresta de luz que possa salvá-la. Bert Nordberg recentemente concedeu uma entrevista ao The Wall Street Journal na qual afirmou que é possível sim salvar a BlackBerry. Para isso, a companhia deveria se afunilar e virar o foco de seu trabalho apenas para um nicho de mercado. Vale lembrar que Nordberg, além de ex-CEO da Sony Ericsson também é membro de conselho que tenta decidir que rumos a empresa irá tomar.

De acordo com os comentários feitos por Nordberg a companhia apresenta diversos subsetores que poderiam ser extintos caso fosse decidido que empresa realmente se tornaria uma fabricante de nicho. Isso esbarra naquilo que podemos chamar de “personalidade da BlackBerry”: além de ter que rever por completo seu plano de negócios  a companhia deveria esquecer uma ambição antiga que sempre teve como a de competir de igual para igual com algumas potências do setor como a Apple, a Samsung e o Google. Nas próprias palavras de Nordberg tal coisa seria realmente difícil.

Já faz um tempinho que a empresa está considerando a possibilidade de sua venda. Entretanto, até o momento nenhuma grande empresa se interessou no assunto (coisa que já aconteceu no passado). Por outro lado, empresas de porte menor manifestarem interesse. Mas neste caso a barreira é colocada pelo governo do Canadá onde a mesma é sediada. Um negócio desse tipo, segundo os canadenses, seria algo que colocaria a segurança nacional em risco.

Outros especialistas dizem que a melhor solução seria dividir a empresa em vários “pedaços”. Como já acontece com o BlackBerry Messenger, que vem sendo controlado por um setor independente da empresa denominado BBM Inc.

Por Denisson Soares


Na segunda quinzena deste mês a Blackberry informou publicamente que o Conselho Administrativo da empresa anda trabalhando na intenção de encontrar “estratégias alternativas” que contribuam para o aumento do valor da empresa bem como de suas vendas. Uma das alternativas comentadas foi a venda da empresa o que para alguns não é uma boa ideia, principalmente para quem comprar.

Um dos principais nomes que acreditam nesse mal negócio é Jean-Louis Gassée, que além de ser um ex-executivo da Apple também já foi presidente da PalmSource. Nas palavras de Gassée, em entrevista para o jornal americano The New York Times, comprar a Blackberry seria um ato de necrofilia.

Para alguns não pode chegar a tanto, mas uma coisa é certa: Nos últimos tempos a empresa vem passando por uma tempestade que parece não ter mais fim. Mesmo que se coloque a Blackberry à venda não existem no mercado muitos investidores interessados na empresa.

Vale lembrar que no passado algumas das grandes companhias da área de tecnologia como a Microsoft manifestaram interesse na compra da empresa. Outro ponto que devemos levar em consideração é que mesmo havendo companhias de tecnologia de porte menor interessadas no negócio – até porque neste caso seria interessante para elas explorar a marca e suas tecnologias – outra barreira é levantada. O motivo aqui é que o governo do Canadá onde a empresa é sediada, que não é muito a favor desse tipo de aquisição uma vez que para ele haveria algumas implicações de segurança nacional.

Por outro lado, alguns especialistas na área sugerem que o que o fechamento do capital da empresa seria uma boa alternativa para dar tempo para que a mesma focasse em sua marca e em sua evolução sem ter que se preocupar a quantas anda suas ações no mercado.

Para se entender melhor em que tornado a Blackberry se encontra basta dar uma olhada em suas ações. Apenas neste ano, o valor das mesmas despecaram 19%. Em uma visão ainda mais significativa basta observar que em 2008 a empresa tinha um valor de mercado de US$84 bilhões e que hoje não passa dos US$4,8.

O que resta é desejar sorte para que a companhia tenha êxito com a nova linha de aparelhos Blackberry 10 e que consiga encontrar uma saída para o tormento.

Para saber mais sobre a Blackberry clique aqui e acesse o site da empresa em português.

Denisson A. Soares


A cada dia que passa, mais popoular fica o sistema operacional Android, tornado-se uma preocupação a mais para os concorrentes; segundo a última pesquisa da IDC, o citado software da Google alcançou a façanha de estar presente em quatro de cada cinco "gadgets".

A pesquisa da IDC afirma que praticamente 80% dos smartphones usam o sistema operacional Android, marca 10% superior ao ano de 2012; um dos principais motivos da liderança é sua presença em aparelhos de diversas marcas, principalmente na Samsung e na LG.

Se por um lado o Android vem conquistando cada vez mais espaço, por outro o iOS, sistema operacional da Apple, vem perdendo mercado, já que em 2012 estava presente em praticamente 17% dos aparelhos, e em 2013 caiu para 13,3%.

Como é a empresa de tecnologia com mais lucro nos últimos anos, a Apple não estava tão preocupada com a queda, mas começa a se incomodar com a situação, já que a Samsung vem numa grande crescente e estaria na iminência de alcançar o topo da área, e para deixar a Apple ainda mais receosa, a Google Play já é líder no quesito quantidade de aplicativos e downloads.

Por Vinicius Cunha





CONTINUE NAVEGANDO: