Aparelho intermediário conta com boas configurações e preço justo.

O novo Moto G4 foi lançado no mês de maio deste ano. Os preços iniciais partiam de R$ 1.299. Foram apresentadas três diferentes opções de modelos com especificações diversas. Em comum, todas as versões contavam com o Android 6.0 Marshmallow. Além disso, a presença de conectividade Wi-Fi, Bluetooth e 4G também se destacaram. De quebra a Lenovo, que agora detém o domínio sobre o nome Motorola, decidiu manter a proteção contra os respingos de água.

Porém, vamos nos concentrar no Moto G4 em sua versão mais básica e vamos analisar alguns pontos desse dispositivo que caiu no gosto de muita gente para tentar entender os motivos dele ser considerado um aparelho de certa forma interessante.

A versão mais completa da linha é o Moto G4 Plus. Mesmo assim, o Moto G4 conta com algumas semelhanças com o seu irmão e algumas características que o tornam bem atraente.

Vamos partir das configurações do Moto G4. Bom, aqui teremos um processador da Qualcomm, o Snadragon 617 octa-core. São 2GB de memória RAM, 16 GB para armazenamento interno e uma GPU Adreno 405.

Olhando para essas informações é possível perceber que a Lenovo quis fazer do produto algo que se encaixasse entre os dispositivos intermediários.

Para o uso no dia a dia ele se mostra bem eficiente, claro que se o usuário quiser exigir dele algo que só pode ser oferecido por um dispositivo topo de linha, a coisa pode ir para outro lado. Mas no geral ele dá conta do serviço sem deixar a desejar. É uma ótima pedida para quem é fã dos aplicativos. Snapchat, Facebook, WhatsApp, entre outros, podem ser usados sem os constantes travamentos e complicações.

Já no caso dos jogos, ele se mostra eficiente para alguns, em especial os mais leves. Ponto que até positivo já que eles são maioria no Google Play. Porém, caso o usuário decida rodar algum jogo pesado, a probabilidade é que o mesmo engasgue. Mas isso não é problema para os menos exigentes nessa parte.

O sistema operacional tem poucas modificações em comparação ao Android “puro” que é comumente usado nos aparelhos da linha Nexus. De qualquer maneira, a Lenovo trouxe algumas alterações interessantes. Uma delas é a chamada Moto Tela, aqui são apresentadas notificações de um jeito bem diferente do que o que estamos acostumados a ver. Outro ponto que chama a atenção é a possibilidade de se ativar o app da câmera apenas girando o pulso.

E por falar em câmera temos a principal com 13 MP. Porém, não vamos encontrar o auto foco a laser que se encontra presente no Moto G4 Plus. O nível das imagens não chega a ser primoroso, mas ele é relativamente bom, principalmente na questão dos detalhes.

Já a câmera frontal conta com 5MP e também traz um bom desempenho, considerando a luz ambiente para isso. Ao contrário dos produtos da Sony, aqui não vamos ter muitos recursos. Ainda assim, há funções interessantes como a Melhor Foto, que faz a captura de diversas imagens para que depois o usuário decida qual é a melhor (como o próprio nome sugere).

Apesar de não ser um aparelho relativamente barato, o Moto G4 deve continuar a atrair consumidores. Até porque ele se mostrou bem eficiente para quem busca um aparelho para um uso moderado e com uma configuração que “dê para o gasto” no dia a dia.

Por Denisson Soares


Modelos como Moto G Play, Moto G e Moto G Plus são as novas apostas da Lenovo.

Após assumir a marca de celulares da Moto (E,G e o antigo X que virou Z), a Lenovo vem ampliando cada vez mais o número de celulares relacionados à marca e abrangendo cada vez mais o público com a criação de novos modelos de entrada e inovações com ótimo custo-benefício, que sempre surpreendem o público, sendo até hoje desde seu lançamento, xodós de um público que deseja algo mais acessível.

O intermediário mais querido do público chegou em 3 diferentes versões e com melhores configurações em relação a terceira geração.

O aparelho Android de entrada da marca, o Moto G Play, terá uma tela de 5 polegadas e um processador da Qualcomm, quad core Snapdragon 410. Com capacidade de 2GB de RAM e uma câmera traseira de 8MP e 5MP na frontal. Além de uma memória interna de 16GB, com suporte expansível de 128 GB para micro SD. A bateria terá capacidade de 2800 mAh e virá com um carregador rápido, com proposta para que dure as vinte e quatro horas do dia.

O dispositivo com poucas especificações inovadoras virá somente com o básico, sendo um modelo bem semelhante com o Moto G da segunda geração e como sempre com um preço bastante camarada, provando o enorme custo-benefício da marca.

Os outros dois modelos, o intermediário e o top de linha, Moto G e Moto G Plus virão com melhorias em questão de câmera, processador e tela. Respectivamente, o Moto G terá uma tela de 5,5 polegadas, uma frontal de 5 MP com Flash virtual e abertura angular de f/2,2 e um processador de 1,5 GHz.

O Plus disponibilizará também uma tela de 5,5 polegadas e outras especificações iguais ao modelo intermediário, tendo diferenças em relação á câmera traseira de 16 MP, um armazenamento de 32GB e um leitor digital.

O preço sugerido pela marca estará em torno de 900 reais, sendo menor que o Moto G por R$ 1.300 e o top de linha Moto G Plus, no valor de R$ 1.500. Disponível apenas na cor preta e com variações em ralação as capas traseiras do aparelho. Como nos anos anteriores, o modelo promete ser sucesso de vendas e se mostrar sempre acima dos seus concorrentes de segmento de entrada.

Por Denisson Soares

Moto G Play


Nova versão turbinada no Moto G 3ª geração conta com proteção contra água e poeira e carregador com TurboPower 15, que recarrega o aparelho com rapidez.

O novo aparelho da Motorola, o Moto G Turbo Edition, que é a versão turbinada do Moto G terceira geração, como o próprio nome já entrega, chegou ao Brasil, mas não com um preço acessível, como é a característica do aparelho. O valor estimado é de R$ 1.299, um pouco superior do que a sua versão mais básica do Moto G 3º geração que custa R$ 900.

A nova versão do Moto G veio poderosa. A Motorola deixou de lado o processador Snapdragon 410 e agora usa o Snapdragon 615, o mesmo usado no aparelho Moto X Play, que é superior ao Moto G, o Moto X Play custa em torno de R$ 1.499. O Moto G Turbo Edition ainda conta com IP67 que protege o smartphone contra água e a poeira, enquanto o Moto G terceira geração possui o IPX7 que protege o aparelho somente contra a água. A bateria não mudou, continua com 2.470 mAh, mas o carregador do Moto G Turbo Edition é potente, a Motorola incluiu o TurboPower 15 que recarrega o aparelho com rapidez.

Essas características citadas foram as maiores mudanças, as outras especificações continuam as mesmas do Moto G terceira geração.

As especificações do novo Moto G Turbo Edition são: tela de 5 polegadas com resolução HD (1280×720 pixels) de 224 ppi e Gorilla glass3,  2 GB de memória RAM, 16 GB de armazenamento interno, câmera traseira de 13 megapixels e câmera frontal de 5 megapixels, bateria garantida para um dia inteiro com QuickCharge 2.0 que garante recarga rápida (essa é uma exceção do Moto G Turbo Edition), suporte para o Moto Maker e sistema operacional  Android 5.1.1 Lollipop com atualização garantida para a mais nova versão do Android, o Marshmallow.

Mesmo com a nova versão, o Moto G terceira geração continua a ser vendido nas lojas brasileiras, sendo a versão mais barata do aparelho, custando na versão mais básica de 8GB R$ 999 e a mais completa, R$ 1.129. Talvez pagar um pouco mais caro pela versão mais recente e turbinada compense mais.

Por Camila Batista

Moto G Turbo Edition

Moto G Turbo Edition

Fotos: Divulgação


O modelo Moto G 2014 não possui ainda uma versão disponibilizada para redes LTE, ainda que ele já tenha tido homologação em vários países. No momento atual, existem mais previsões de que a divulgação poderá ocorrer em breve, devido ao dispositivo ter sido apresentado para venda no site Argos da Grã-Bretanha, associado a uma versão 4G do Moto E, onde todos estarão em funcionamento com o Android 5.0 Lollipop de fábrica.

Contudo, é necessário salientar que alguns sites frequentemente apresentam dispositivos que ainda não foram lançados, de forma que possam se antecipar aos seus competidores, e desta forma apresentar o dispositivo no momento que ele estiver presente em seus estoques. Este fato, contudo, não é garantido sempre devido a vários modelos terem sido divulgados previamente em sites de vendas e não serem divulgados pelas empresas, ocasionando que o consumidor precise se satisfazer com outro aparelho e não ter prejuízo com seu dinheiro.

Se for verdade, o Moto G 2014 LTE terá as dimensões e especificações quase idênticas de sua versão principal, mas disponibilizado somente com um chip e conexão 4G, onde poderá ser comercializado pelo preço pioneiro de 159,95 libras no modelo com armazenamento interno de 8 GB, o equivalente a R$ 635 em conversão direta e na ausência dos impostos do Brasil. É importante salientar que o aparelho cadastrado no site relata uma expansão de 6 gramas no peso, além de um upgrade na resolução da tela para 768 x 1280 pixels.

O Moto E LTE, por sua vez, terá uma importante atualização no processador, onde começará a usar a versão quad-core do Snapdragon 200, posicionando ele no mesmo patamar que os lançamentos atuais com preço mais baixo. As outras configurações e dimensões do dispositivo poderão ser idênticas, onde o modelo poderá ser comercializado por 109,95 libras, equivalente a cerca de R$ 436, na ausência dos impostos brasileiros.

Por Felipe Couto de Oliveira

Moto G LTE

Moto E LTE

Fotos: Divulgação


A Motorola, famosa por seus excelentes celulares, desde a década de 90, traz ao mercado o lançamento do novo Moto G DTV Colors. O celular chega ao mercado com mais tela, mais câmera, mais TV e mais memória; segundo a fabricante.

No que diz respeito à tela, o aparelho, agora, está com uma tela mais ampla com 5’’ de tamanho. Além disso, conta com o recurso HD. O telefone, ainda, conta com um padrão de som que vai além dos concorrentes com caixas de áudio estéreo.

Um recurso que chama atenção neste smartphone é a TV digital. No ônibus, no trabalho, na faculdade, na escola, na rua, em qualquer lugar. Este é o novo conceito que a Motorola traz. Vivemos em um mundo dinâmico em que quase não temos tempo para sentar de frente a uma TV para assistir a um bom programa. Com o Moto G DTV Colors essa dificuldade é superada.

O Moto G DTV Colors tem como Sistema Operacional o Android, queridinho entre os usuários de celulares. O Android permite uma experiência interativa simples e barata. A maioria dos aplicativos pode ser baixada de forma gratuita na biblioteca própria do Android. Além dessas funcionalidades, o aparelho conta com um processador sensacional Quad Core que proporciona maior velocidade de processamento e evita que o celular trave enquanto o usuário o utiliza.

O comprador do Novo Moto G DTV Colors pode ficar tranquilo quanto ao fato de ser usuário de duas operadoras simultâneas, pois o aparelho conta com a possibilidade de usar dois chips ao mesmo tempo, DUAL CHIP.

A memória interna do smartphone foi aumentada para 16 GB, com possibilidade de expansão para 32 GB.

As fotografias ficaram mais nítidas, pois o aparelho conta com uma câmera traseira de 8 MP e câmera frontal de 2 MP.

O aparelho chega ao mercado com um preço médio de R$ 799,00.

Por Daniel Alves

Moto G DTV Colors

Foto: Divulgação


O Moto G, nova linha de smathphones que a Motorola, já está no mercado em quatro versões. Isso sem contar a versão 4G que está programado para chegar às lojas nesse mês junho.

É sem dúvida um bom aparelho. Mas na hora de comprar é normal bater uma dúvida. Afinal de contas, qual dos quatro aparelhos escolher? Conheça as principais características de cada um e verá que um deles vai se adequar melhor ao seu perfil.

Curiosidades do celular Moto G de apenas um chip:

1- A versão mais em conta do Moto G é com entrada para um chip, por R$ 649;

2- Por causa disso, ele se torna o aparelho com melhor custo-benefício do mercado;

3- A tela tem apenas 4,5 polegadas, mas com resolução em HD;

4- A bateria é de 2.070 mAh como Android (KitKat);

5- O processador é quad-core Snapdragon 400, pouco comuns em celulares dessa faixa de preço;

6- A partir de R$ 50 a mais é possível encontrar o Moto G dual chip.

O Moto G Dual custa R$ 699. Tem dois chips, mas suas caracteriticas que o Moto G de apenas um chip. Aqui a memória RAM é de 1GB e com armazenamento interno de 8 GB. A câmera traseira é de 5 megapixels e a frontal de 1,3 megapixels.

Em relação ao primeiro, a única diferença e/ou qualidade é o fato de suportar dois chips. Ótimo para quem deseja aproveitar as promoções das companhias telefônicas e assim pagar menos nas ligações. Apesar das poucas funções a mais ele reage tão bem quanto um single.

A diferença entre o Moto G Color e o Dual é, primeiramente, a presença de quatro capas traseiras diferentes. O cliente pode escolher na cor preta, branca, vermelha e amarelo limão. Por isso esse celular tem, logicamente, esse nome. Bom para quem se preocupa com o visual do aparelho.

Ele já vem com espaço interno de 16 GB. Sendo o dobro das outras versões apresentadas. Há também entrada para cartão de memória. Ideal para ter mais aplicativo, baixar mais músicas e jogar muitos games. A edição ColorEdition, por apenas R$ 799, é possível adquirir esse celular que também tem entrada dual chips.

Moto G Music Edition: esse é claramente para os amantes de música. Ótimo para ouvir em som alto e de ótima qualidade. Acompanha o aparelho o fone de ouvido, Tracks Air, sem fio. Ele é fabriacao pela SOL Republic e tem a vantagem de operar via Bluetooth.

É uma versão mais cara: R$ 999. Mas vale a pena, pois somente esse fone de ouvido no mercado valeria em torno de R$ 450. Também possui armazenamento interno de 16 GB. Sua bateria também chama atenção. Tem autonomia de 15 horas. Algo realmente louvável.

Moto G com 4G, ainda não disponível, as com os dias contados para chegar ao mercado, terá suas vendas pelo valor de R$ 799. Além da melhoria na navegação, agora ele aceitará cartões SD de até 32 GB.  A tampa traseira poderá ser branca ou preta.

Isso tudo para justificar o aumento do preço em relação ao single e ao dual. Lembrando que hoje em dia os celulares 4G disponíveis no mercado não saem por menos que mil reais.

Por Douglas Lima

Foto: divulgação


A próxima terça-feira, dia 14 de janeiro, pode ser marcada pelo lançamento global do Moto G, pois a Motorola está encaminhando convites para a mídia inglesa com informações precisas sobre esse lançamento. No documento, as informações mencionam que haverá o lançamento global do Moto G e que a Motorola está convidando a mídia para dar as boas-vindas ao celular que será incluído na família de produtos da Motorola Europeia.

Entende-se que, ao menos no mercado europeu, um novo produto estará em circulação a partir do dia 14 de janeiro. As especulações referentes ao lançamento giram em torno de um novo smartphone, porém, poderia ser qualquer outro aparelho, como por exemplo, um tablet Moto G.

Lançamento de Sucesso – Moto G:

Até o momento, os aparelhos que integram a família Moto tem agradado o público. Em novembro de 2013, os consumidores foram presenteados com o lançamento do smartphone Moto G, considerado um aparelho básico. Como citado por dirigentes da Motorola, este é um aparelho para quem está em busca de uma "experiência premium com bom preço". O aparelho desbloqueado chegou ao Brasil com o valor de R$ 649,00. Ele veio com sete opções de capas traseiras: branco, amarelo, preto, azul claro, azul escuro, vermelho e rosa.

Tal aparelho é fabricado em Jaguariúna (SP), e foi o segundo smartphone que a Motorola desenvolveu totalmente em conjunto com o Google. O produto possui versões com 8 ou 16 GB de armazenamento interno e tem como uma das características principais a possibilidade de fazer uso de dois chips. O aparelho conta com tela de 4,5 polegadas, possui sistema operacional Android 4.3 (Jelly Bean), tem 1 GB de Memória RAM e possui Processador de Quatro Núcleos de 1 GHz.

A solução será aguardar até o dia 14 de janeiro para sabe qual será realmente o novo produto Moto G.

Por Rafaela Fusieger


No início da era dos smartphones era impossível pensar em um aparelho com Android barato que se aproximasse da funcionalidade dos top de linha. Porém, no ano de 2013, os chamados intermediários chegaram para diminuir o abismo até então existente. Talvez o melhor exemplo disso seja o Moto G da Motorola.

O Moto G tem preço bastante razoável (a partir de R$ 600), além de uma configuração que não deixa a desejar.

O aparelho possui tela com dimensões bem confortáveis para o uso, sendo em IPS LCD de 4,5 polegadas com resolução HD. Seu sistema e aplicativos se aproximam muito do Android transformando-o em um exemplo de custo/benefício. Ele é um aparelho de dois chips que possuem uma função específica para facilitar o gerenciamento dos SIM. O que falta neste smartphone é um slot para cartão de memória, além de não possuir a tecnologia 4G. A câmera também se encontra bem abaixo do que se espera de um Motorola. Ela até cumpre sua função em ambiente externo e bem iluminado, mas se for o contrário, não adianta esperar muita coisa. Usar o zoom não é recomendável e seu flash não traz a iluminação proposta.

O Moto G traz poucos aplicativos em sua memória, o que deixa o usuário à vontade para montar o aparelho a sua semelhança.

O smartphone pode ser encontrado com 8GB ou 16GB. Mas se você for fã de jogos pesados ou fizer muitos downloads, esqueça o de 8GB. A bateria do aparelho mantém a carga por um bom tempo, ou seja, em configurações normais dura em torno de 28 horas. Mas se levar ele ao mínimo pode durar até 40 horas.

Os concorrentes têm motivos para seu preocupar com este modelo da Motorola. Ele nivela por cima o mercado de intermediários se aproximando dos top de linha, com preço bem baixo em relação a sua funcionalidade. Alguns o chamam de Nexus, porém, barato.

Por Natália Mayrink De Lazzari

Motorola Moto G

Foto: Divulgação


O Google é um gigante do mundo da tecnologia e da informática, tendo como uma de suas principais empresas a Motorola, que pretende diminuir a quantidade de modelos de aparelhos no mercado, focando-se principalmente em smartphones.

De acordo com Dennis Woodside, presidente-executivo da Motorola, a ideia é ter uma linha mais enxuta, citando como exemplo o Moto G, acreditando que este modelo de smartphone deva atender a expectativa dos usuários, sobretudo daqueles que migrarem de smartphone ou até mesmo para aqueles que deixarem de lado o aparelho de telefone celular.

O lançamento do Moto G, no Brasil, ocorreu nesta última quarta-feira, 13 de novembro, data em que Woodside acrescentou que o Brasil é uma potência na compra de smartphones, por ser um país que ainda tem muita gente migrando do popular "celular" para os dispositivos móveis mais inteligentes, estando atrás apenas dos Estados Unidos da América.

A expectativa da Motorola em relação ao Moto G, no Brasil, é tão grande, que o país sul-americano foi o primeiro das Américas a receber o aparelho, que tem sua tela como a do Moto X, opção de dois chips de celular e rádio FM, ou seja, basicamente aquilo que há na maioria dos smartphones.

Dennis, em seu discurso, foi um pouco diferente de Guy Kawasaki, também executivo da Motorola, o qual afirmou que a Apple não compete com a Motorola e sim com ela mesma; já Woodside frisou que os usuários da Apple têm mais chances de mudarem de aparelho, mas que para aqueles que simplesmente trocarão seus celulares pelo Moto G, o fator preço tende a ser o diferencial preponderante.

Segundo o presidente-executivo da Motorola, sua empresa tem o foco nas pessoas, citando como exemplo os estudantes, que na maioria das vezes não querem pagar um alto preço por um dispositivo móvel, já que se contentam com a experiência de "relacionamento" com um "simples" smartphone.

Por Vinicius Cunha

Motorola Moto G

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: