O Moto G é o smartphone que promete ter o que há de melhor no fator custo beneficio do atual mercado. Possui um dos preços mais atraentes, e ainda assim apresenta uma boa configuração e um excelente acabamento.

O Moto G tem o seguinte fator na posição de maior destaque: sua configuração é a melhor entre os smartphones concorrentes dentro da faixa dos 700 reais.  Seu processador é um Snapdragon 400 Quad Core de 1,2 Ghz, com GPU integrada.

O Moto G conta com 1GB de memória RAM e pode ter 8GB ou 16GB de HD (dependendo da versão). O modelo oferece um acesso agradável sem serrilhados ou lags em seu sistema operacional, o Android Jelly Bean.

O aparelho possui como display uma tela de 4,5 polegadas, o que o faz disparar na concorrência, pois tal configuração só é vista em smartphones mais avançados. Apresentando resolução máxima de 720×1280 px e densidade de 326ppi, o Moto G consegue reconhecer até 5 toques simultâneos e suas imagens têm uma boa fidelidade às cores.

O aparelho vem também com bússola, sensores de proximidade e acelerômetro, além de conexão bluetooth 4.0.

A diferença deste modelo para o Moto X é que ele não possui o chip de linguagem, detalhe que o impede de usar o assistente do Google, o Google Now. Ele também não possui suporte ao 4G.

Seu design é muito parecido com o Moto X. O Moto G tem suas bordas arredondadas, assim como suas laterais traseiras. A tampa traseira, mesmo sem textura, tem o formato levemente côncavo, possibilitando uma boa posição para segurar o aparelho. O seu design da tampa traseira dá a impressão de que a tela de 4,5 polegadas não é tão grande assim.

Em testes, o Moto G manteve-se ligado por quase 7 horas, simulando um uso intenso com o aparelho (reproduzindo vídeos e com o wi-fi e o bluetooth ligados). Em outro teste realizado, o Moto G ficou ligado durante mais de um dia em uma ligação e com o wi-fi e o bluetooth ligados. De todos os smartphones que passaram por esse teste, o Moto G foi o que se saiu melhor (Exatas 24h e 43 min).

Por Fábio G. Santos

Foto: divulgação


A próxima terça-feira, dia 14 de janeiro, pode ser marcada pelo lançamento global do Moto G, pois a Motorola está encaminhando convites para a mídia inglesa com informações precisas sobre esse lançamento. No documento, as informações mencionam que haverá o lançamento global do Moto G e que a Motorola está convidando a mídia para dar as boas-vindas ao celular que será incluído na família de produtos da Motorola Europeia.

Entende-se que, ao menos no mercado europeu, um novo produto estará em circulação a partir do dia 14 de janeiro. As especulações referentes ao lançamento giram em torno de um novo smartphone, porém, poderia ser qualquer outro aparelho, como por exemplo, um tablet Moto G.

Lançamento de Sucesso – Moto G:

Até o momento, os aparelhos que integram a família Moto tem agradado o público. Em novembro de 2013, os consumidores foram presenteados com o lançamento do smartphone Moto G, considerado um aparelho básico. Como citado por dirigentes da Motorola, este é um aparelho para quem está em busca de uma "experiência premium com bom preço". O aparelho desbloqueado chegou ao Brasil com o valor de R$ 649,00. Ele veio com sete opções de capas traseiras: branco, amarelo, preto, azul claro, azul escuro, vermelho e rosa.

Tal aparelho é fabricado em Jaguariúna (SP), e foi o segundo smartphone que a Motorola desenvolveu totalmente em conjunto com o Google. O produto possui versões com 8 ou 16 GB de armazenamento interno e tem como uma das características principais a possibilidade de fazer uso de dois chips. O aparelho conta com tela de 4,5 polegadas, possui sistema operacional Android 4.3 (Jelly Bean), tem 1 GB de Memória RAM e possui Processador de Quatro Núcleos de 1 GHz.

A solução será aguardar até o dia 14 de janeiro para sabe qual será realmente o novo produto Moto G.

Por Rafaela Fusieger


No início da era dos smartphones era impossível pensar em um aparelho com Android barato que se aproximasse da funcionalidade dos top de linha. Porém, no ano de 2013, os chamados intermediários chegaram para diminuir o abismo até então existente. Talvez o melhor exemplo disso seja o Moto G da Motorola.

O Moto G tem preço bastante razoável (a partir de R$ 600), além de uma configuração que não deixa a desejar.

O aparelho possui tela com dimensões bem confortáveis para o uso, sendo em IPS LCD de 4,5 polegadas com resolução HD. Seu sistema e aplicativos se aproximam muito do Android transformando-o em um exemplo de custo/benefício. Ele é um aparelho de dois chips que possuem uma função específica para facilitar o gerenciamento dos SIM. O que falta neste smartphone é um slot para cartão de memória, além de não possuir a tecnologia 4G. A câmera também se encontra bem abaixo do que se espera de um Motorola. Ela até cumpre sua função em ambiente externo e bem iluminado, mas se for o contrário, não adianta esperar muita coisa. Usar o zoom não é recomendável e seu flash não traz a iluminação proposta.

O Moto G traz poucos aplicativos em sua memória, o que deixa o usuário à vontade para montar o aparelho a sua semelhança.

O smartphone pode ser encontrado com 8GB ou 16GB. Mas se você for fã de jogos pesados ou fizer muitos downloads, esqueça o de 8GB. A bateria do aparelho mantém a carga por um bom tempo, ou seja, em configurações normais dura em torno de 28 horas. Mas se levar ele ao mínimo pode durar até 40 horas.

Os concorrentes têm motivos para seu preocupar com este modelo da Motorola. Ele nivela por cima o mercado de intermediários se aproximando dos top de linha, com preço bem baixo em relação a sua funcionalidade. Alguns o chamam de Nexus, porém, barato.

Por Natália Mayrink De Lazzari

Motorola Moto G

Foto: Divulgação


O Google é um gigante do mundo da tecnologia e da informática, tendo como uma de suas principais empresas a Motorola, que pretende diminuir a quantidade de modelos de aparelhos no mercado, focando-se principalmente em smartphones.

De acordo com Dennis Woodside, presidente-executivo da Motorola, a ideia é ter uma linha mais enxuta, citando como exemplo o Moto G, acreditando que este modelo de smartphone deva atender a expectativa dos usuários, sobretudo daqueles que migrarem de smartphone ou até mesmo para aqueles que deixarem de lado o aparelho de telefone celular.

O lançamento do Moto G, no Brasil, ocorreu nesta última quarta-feira, 13 de novembro, data em que Woodside acrescentou que o Brasil é uma potência na compra de smartphones, por ser um país que ainda tem muita gente migrando do popular "celular" para os dispositivos móveis mais inteligentes, estando atrás apenas dos Estados Unidos da América.

A expectativa da Motorola em relação ao Moto G, no Brasil, é tão grande, que o país sul-americano foi o primeiro das Américas a receber o aparelho, que tem sua tela como a do Moto X, opção de dois chips de celular e rádio FM, ou seja, basicamente aquilo que há na maioria dos smartphones.

Dennis, em seu discurso, foi um pouco diferente de Guy Kawasaki, também executivo da Motorola, o qual afirmou que a Apple não compete com a Motorola e sim com ela mesma; já Woodside frisou que os usuários da Apple têm mais chances de mudarem de aparelho, mas que para aqueles que simplesmente trocarão seus celulares pelo Moto G, o fator preço tende a ser o diferencial preponderante.

Segundo o presidente-executivo da Motorola, sua empresa tem o foco nas pessoas, citando como exemplo os estudantes, que na maioria das vezes não querem pagar um alto preço por um dispositivo móvel, já que se contentam com a experiência de "relacionamento" com um "simples" smartphone.

Por Vinicius Cunha

Motorola Moto G

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: