Confira aqui o que há de novo nos novos smartphones da Apple.

Quem nunca ouviu falar da Apple?

Fundada no dia 01/01/1976, em Cupertino, no famoso Vale do Silício, da ensolarada Califórnia, nos EUA, por Steve Wozniak, Ronald Wayne e pela lenda Steve Jobs, essa é uma empresa que ao longo dos anos se tornou sinônimo nos quesitos de inovação e design no âmbito de celulares e tablets, tanto que a cada lançamento de um dos seus aparelhos acontecem revoluções no mercado tecnológico mundial.

Depois de tentar provar que o iPhone X era um aparelho que valia a pena ser adquirido, temos o lançamento 1 ano depois de 3 aparelhos, que são:

• O iPhone XR é o mais simples, com uma tela de 6,1 polegadas e com estrutura bem parecida com o já conhecido iPhone 7 e com cores estilo ao iPhone 5C ( lembra o modelo mais colorido da empresa), ou seja, é um modelo que vai poder ser adquirido nas cores branco, azul, vermelho, preto, amarelo e coral (esse é entendido como se fosse uma mistura entre o delicado rosa e a cor quente laranja). Começa a ser comercializado como é de praxe nos EUA, na data de 26/10/2018, pelo valor de US$ 749 (algo em torno de mais ou menos R$ 3.116, com a conversão do dólar para o real) e com bateria com duração de 1 hora e 30 minutos a mais do que o modelo iPhone Plus 8 e com uma proteção classificada como IP67;

• O iPhone XS é digamos que bem mais uma ampliação do modelo do ano passado e agora conta com uma tela do tipo Oled de exatamente 5,8 polegadas, com câmera frontal (a famosa selfie) de 7 MP e a câmera traseira é descrita com 12 MP wide e também teleobjetiva. Para essas câmeras a Apple desenvolveu um sensor com uma rapidez duas vezes superior aos modelos anteriores, ou seja, com a função “smart HDR", onde diferentes fotos que foram capturadas em determinado momento são utilizadas para a imagem no modo perfeito. Em outras palavras, a Apple quer trazer para o mercado uma nova forma de proporcionar o prazer ao fotografar, idêntico ao que sente os clientes da Samsung, com os seus Galaxys, por exemplo. Sua bateria só dura apenas 30 minutos a mais em relação ao modelo iPhone X e vai ser lançado em 21/09/2018 nos EUA, nas cores prateado, dourado e cinza – escuro, no valor de US$ 999 ( algo em torno de R$ 4.156);

• Já o iPhone XS Max é o top dessa família, ou seja, com uma tela de 6,5 polegadas (superior as 6,4 polegadas do Galaxy Note 9 da Samsung) e estilo do iPhone 8 Plus. A sua câmera apresenta uma configuração idêntica ao iPhone XS, uma bateria com duração de 1 hora e meia a mais em comparação ao modelo iPhone X e ainda conta com o mais alto grau dentro da Automação Industrial, ou seja, a proteção IP68, que visa combater problemas com relação à água e à poeira. O seu armazenamento é de 512 GB (o Galaxy Note 9 da Samsung conta com 512 Gb de capacidade mais cartão de memória de 512 Gb) e lançamento também para o dia 21/09/2018, no valor de US$ 1.099 (em torno de R$ 4.572).

Os 3 aparelhos tem o modo retrato, onde é possível mudar a profundidade com relação o desfoque de determinada imagem, fora os efeitos de luz de estúdio, mais luz de palco e é claro o preto e branco, além da opção Face ID, ou seja, o reconhecimento facial.

Novidade agora nos celulares da Apple, existe a opção de utilizar 2 chips no mesmo aparelho, mas isso só vai ser liberado para os aparelhos que forem comercializados na China. Para os demais países temos a opção conhecida como eSim, que é exatamente um chip virtual integrado diretamente no aparelho, ou seja, o cliente faz a configuração do número.

Qual a previsão de lançamento no Brasil? Quais os valores de comercialização?

Os lançamentos passados como o iPhone 8 foram comercializados à partir de R$ 3.999, o iPhone 8 Plus no valor de R$ 4.599 e é claro o iPhone X em R$ 6.999, portanto, fique preparado para quando os modelos do iPhone XR, iPhone XS e iPhone XS Max chegarem no Brasil, algo que a Apple ainda não tem uma previsão.

Por Fernanda de Godoi


Norte-americano abre processo contra a Apple acusando a empresa de ter copiado design de seu aparelho.

Um homem que reside atualmente no Estado da Flórida, na região sudeste dos Estados Unidos, moveu uma ação judicial contra a Apple alegando que a empresa infringiu direitos autorais ao “roubar” uma invenção realizada por ele no longínquo ano de 1992.

Thomas S. Ross, responsável pelo processo contra a multinacional, afirma que a organização teria furtado a sua ideia e invenção que leva o nome, na tradução para a língua portuguesa, como Dispositivo Eletrônico de Leitura (com sigla americana de ERB). Este, basicamente, consistia em um leitor de mídia que aparentava semelhanças físicas com o que hoje conhecemos como smartphones, com uma tela grande na frente e botões pequenos na parte inferior, cabendo na palma de uma mão.

Levando isso em conta, conforme Thomas, o mesmo projeto teria sido utilizado pela Apple na criação dos iPhones e, posteriormente, nos iPods e iPads, com design igual ao projetado para o ERB. Em relação a esta história e segundo dados do site The Telegraph, por este motivo o criador estaria pedindo uma indenização no valor de US$ 10 bilhões, o que equivale a R$ 33 bilhões, além de royalties de 1,5% sobre as vendas futuras do aparelho, o que geraria lucros de US$ 3,5 bilhões por ano.

Apesar das semelhanças da invenção com os celulares atuais, foi divulgado, entretanto, que Ross não teve suas patentes aprovadas após o descumprimento da lei ao não pagar as taxas necessárias para a sua admissão, acarretando em abandono de pedido três anos após a sua projeção, em 1995.

Este fato, porém, atrapalha a comprovação de que a Apple realmente teria utilizado ideias que eram dele, uma vez que isto não pode ser legalmente comprovado. Tais fatos, por outro lado, não frearam Thomas de continuar com a ação judicial, com pedido de julgamento por júri após ter adicionado os desenhos originais ao processo para provar a sua versão.

Ainda não se sabe aonde a história vai dar, mas é difícil acreditar que o homem vença o duelo, uma vez que nenhuma de suas invenções chegou a ser criada, ficando somente no papel. Resta aguardar os próximos capítulos.

Kellen Kunz


O preço do iPhone, um dos mais famosos e desejados smartphones do mundo, é um impeditivo para a aquisição do mesmo por boa parte da população, que não tem grande poder aquisitivo.

Mas há rumores de que esse problema será resolvido com o lançamento de uma versão mais barata do aparelho.

De acordo com o site japonês Macotakara, os novos aparelhos serão lançados a partir de julho e primeiramente sairão nas cores: laranja, azul e branco com cinza. Já o segundo lote trará os aparelhos nas cores: branco, verde, rosa, amarelo com laranja e azul.

Os testes de venda serão feitos em julho, com o lançamento de 1.000 unidades do novo aparelho.

O novo smartphone será feito em plástico policarbonato e é isso que reduzirá o preço de venda do mesmo, já que com essa matéria prima o custo de produção do aparelho terá uma grande queda.

O eletrônico tem por objetivo atingir países emergentes, onde a população não tem condições de comprar o aparelho original, que tem acabamento mais luxuoso e caro.

O novo aparelho deve custar entre US$ 99,00 e US$ 149.

Por Fernando de Souza


Conforme o site iLounge, a Apple pode lançar um novo iPhone com chassi de plástico para ser uma versão mais barata do smartphone.

As informações foram obtidas com fontes próximas à empresa e, conforme elas, o intuito principal do lançamento de um iPhone mais barato seria o de impulsionar a participação da Maçã no mercado da China. Somente após isso é que ele seria lançado nos outros países do mundo.

Para quem acha que o chassi de plástico vai resultar em um smartphone inferior, as especulações mostram que esse não é o caso. Isso porque conforme as fontes do iLounge, o novo iPhone terá display com tela de Retina e Gorila Glass, além da nova entrada Lightning e talvez até um processador A6 de quatro núcleos.

Ainda conforme as fontes, o novo iPhone “de plástico” terá um microfone extra localizado na parte inferior do gadget, junto da entrada para fone. Já na parte de trás, o design será bastante parecido com o do iPhone 3GS. E quanto à espessura, ela será maior do que o iPhone 5.

Essa iniciativa da Maçã pode representar um grande esforço de ampliar o mercado do iPhone na China, pois o preço dele no local é muito alto se comparado aos Androids e aos Windows Phones. Assim, a empresa pode lançar um iPhone 5 feito de plástico para deixar o produto mais competitivo.

Por Guilherme Marcon


A TIM confirmou na última sexta-feira (dia 7 de dezembro) os valores do iPhone 5 no Brasil e já colocou o produto em pré-venda em sua loja online. Segundo a operadora, o smartphone na versão de 16 GB chega às lojas por R$ 2.399, já a versão de 32 GB será vendida por R$ 2.699 e a de 64 GB por R$ 2.999. Os valores são menores ainda do que os cobrados em 2011 pelo iPhone 4S.

A operadora está vendendo o celular em seu site oficial, mas apenas o modelo com 32 GB está disponível. Segundo o site da TIM, o produto será entregue no dia 14 de dezembro, data do lançamento oficial do aparelho no Brasil.

Ainda que esteja bem caro, a nova versão do iPhone chega ao mercado nacional por um preço bem menor ao cobrado pela versão 4S do aparelho no ano passado, pois a TIM o vendia na versão de 16 GB por R$ 2.600 e a versão com 64 GB era vendida por R$ 3.400.

A Apple revela com isso que mantém o preço de seus produtos alto, pois este ano outros lançamentos top de linha não chegaram ao mercado com um valor tão elevado assim. Um grande exemplo disso é o Galaxy S3, o smartphone mais vendido do ano, que chegou ao país custando R$ 2.000.

Por Felipe Santos Bonfim


Uma boa notícia para os brasileiros, o novo smartphone da Apple já foi homologado pela Anatel e está liberado para ser vendido no mercado nacional.

Isso fez a felicidade dos consumidores do Brasil, pois quem está com muita vontade de comprar a nova geração do iPhone pode aguardar o lançamento no mercado brasileiro muito em breve.

Entretanto, a Agência Nacional de Telecomunicações não liberou ainda todas as versões do iPhone 5, até então, somente o modelo A1428 foi liberado, que é o mesmo vendido pela AT&T nos EUA. Assim sendo, pode acontecer de os primeiros iPhones 5 que chegarem ao Brasil não serem compatíveis com 4G. Isso pode acontecer porque a frequência que será utilizada pelas operadoras nacionais é diferente da usada nos Estados Unidos.

Uma curiosidade disponibilizada com a homologação da Anatel é que o PDF liberado afirma que o iPhone 5 utilizará microSIM e não nanoSIM, mas isso pode ser apenas uma confusão na hora de traduzir o documento oficial. Além disso, outra boa notícia é que com a homologação, a Apple afirmou que pretende utilizar as fábricas da Foxconn no Brasil para produzir o novo smartphone, entretanto, não se sabe quando isso acontecerá.

Mas o que o consumidor brasileiro quer mesmo, é saber quanto custará o iPhone 5 aqui no Brasil e se o preço vai baixar com a produção “Made In Brazil”. Porém, os valores ainda não foram divulgados oficialmente.

Por Guilherme Marcon





CONTINUE NAVEGANDO: