A Oi informou que deixará de cobrar tarifa mais cara para ligações destinadas a outras operadoras e oferecerá novos pacotes de dados aos clientes pós-pago.

O Natal está chegando, momento das operadoras mostrarem suas estratégias de marketing para atrair seu público consumidor e elevar as vendas, seja de aparelhos, como de serviços e planos pós-pago.

Uma boa notícia refere-se à operadora Oi, que deixará de cobrar tarifa mais cara para ligações destinadas a outras operadoras. E a Oi não foi a única. A operadora concorrente TIM, já anunciou publicamente uma estratégia bem parecida.

Além de deixar de cobrar a tarifa mais cara, a Oi pretende oferecer mais dados aos seus clientes. Dessa forma, ela tende a elevar sua fatia de mercado.

Nessa terça-feira (03 de novembro) ela anunciou publicamente que pretende implantar novos pacotes de dados a partir da segunda quinzena do mês de novembro para clientes pós-pago. Entretanto, essas mudanças só serão efetivadas para quem contratar os novos planos da operadora.

Ao que parece, além das novas tarifas, a operadora pretende fazer uma campanha massiva de marketing para o Natal.

A finalidade da Oi é a de reduzir a prática de múltiplos chips por usuário. Uma prática bem comum entre os consumidores de serviços pré-pago no Brasil. O objetivo é o de ganhar notoriedade de mercado. Ao que parece, os pacotes de dados não terão os mesmos valores em todos os lugares. O valor tenderá a se diferenciar para localidades onde a Oi possui uma menor fatia de mercado.

Os novos pacotes devem incluir uma grande oferta de dados, o que irá facilitar no uso de aplicativos interativos, tais como WhatsApp, Skype, Facebook, entre outros aplicativos de mensagem de voz.

Uma outra novidade refere-se à tentativa de tentar viabilizar uma fusão com a operadora concorrente TIM. Pelo visto, o ano de 2016 será cheio de novidades no cenário das operadoras, sobretudo com um aumento dos serviços pós-pagos pelos brasileiros.

Por Felipe Pancheri Colpani

Tarifas de ligações da Oi


Com a chegada do iPhone um dos aparelhos mais procurados entre os smartphones, principalmente entre os apreciadores dos produtos da Apple que chegou ao mercado com suas exigências, as operadoras brasileiras estão empenhadas em trazer um serviço de qualidade para seus usuários. Quem acompanhou as notícias sobre a vinda da tecnologia 4G ao Brasil sabe que não foi só uma questão de oferecer novos rumos aos mundo da telefonia móvel, mas sim, ter capacidade para suportar e, consequentemente, funcionar da maneira ideal.

Talvez seja por isso que a operadora Oi foi a última a estrear a tecnologia 4G no Brasil. No entanto, há um adendo que pode fazer toda a diferença: mesmo com seis meses de atraso em relação as concorrentes, a operadora é a única que atinge 73% dos 50% exigidos pela Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL como cobertura na área urbana de São Paulo.

As cidades que já possuem a 4° geração desde o dia 22 de novembro pela Oi são Curitiba, Belo Horizonte, Brasília, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. As que farão parte do grupo até o fim deste ano são Campinas, São Bernardo do Campo e mais 14 cidades no Estado de São Paulo.

De acordo com o diretor de produtos móveis da empresa, Roberto Guenzburguer, foram dois meses de empenho para deixar tudo pronto e estrear a tecnologia. Como não é algo tão popular como o 3G, o empresário explica que o 4G não irá se massificar nos próximos meses por exigir um público que se encontra no topo da pirâmide. Consequentemente, a Oi só anunciou o seu início após atingir a qualidade e desempenho que desejava.

Agora resta aguardar para que seja evidenciada qual será de fato a aceitação do público pela tecnologia 4G, visto que alguns não estavam muito otimistas.

Por Jaime Pargan

4G OI

Foto: Divulgação


A Anatel – Agência Nacional de Telecomunicações e a Oi publicaram notas em que se defendem das acusações de favorecimento quanto a diminuição nos valores das multas aplicadas pela Agência à concessionária. Há suspeitas que houve jogadas políticas para a diminuição dos valores.

Segundo a revista Veja, o deputado Vicente Cândido do PT de São Paulo procurou o conselheiro da Anatel, Marcelo Beracha, para discutir quais os valores que ele receberia para que a Oi não tivesse que pagar todo o valor de suas multas, que chega a R$ 2,1 bilhões. Porém, os valores corrigidos chegariam a R$ 21 bilhões.

A Anatel afirmou que não houve corrupção e que a agência trabalha com a ideia de usar TACs, em que as concessionárias reverteriam as multas em promessas de investimentos e melhorias na rede. Já a Oi informou que repudia qualquer método ilícito, que não possui nenhuma ligação com o deputado e que ele não possui mandato para falar em nome da empresa. 

É válido ressaltar que ano que vem haverá consulta pública para que a população opine quanto às ações das prestadoras. Será o momento da população mostrar o que pensa das teles para mudanças na renovação das concessões que ocorrem em 2015.    

Por Robson Quirino de Moraes


Quase um ano após a Anatel ter suspendido a venda de chips das prestadoras TIM, Claro e Oi, o presidente João Rezende afirmou que as punições foram determinantes para uma melhora na prestação de serviços. Segundo João, o processo foi importante para a estabilidade dos serviços e que estão acompanhando as mudanças como um sinal positivo.

Entretanto, o número crescente de reclamações junto ao Call Center da Agência mostra que não houve uma melhora significativa. Desde julho de 2012 as empresas oscilaram quanto ao número de clientes insatisfeitos. A TIM que possuía cerca de 2 mil reclamações no ano passado, já apresentou 3,5 mil reclamações em abril, quando foi feita a última aferição. A Claro passou de 1,5 mil reclamações para 2,5 mil este ano. A Oi e a Vivo também tiveram mais reclamações por conta do serviço prestado.

Contudo, o número de reclamações não significa que houve piora nos serviços e sim que a população tem maior acesso a Anatel e passou a reclamar mais das prestadoras. Por essa razão é importante avaliar a real situação das prestadoras.

A medida cautelar que suspendeu a venda de chips destas prestadoras por 11 dias representou uma melhora no serviço, contudo é necessário mais investimentos por parte das mesmas.

Por Robson Quirino de Moraes


Rumores indicam que o lançamento do iPhone 4 no Brasil está programado para acontecer no dia 17 de Setembro. Enquanto isso as operadoras brasileiras cadastram interessados em receber novidades sobre o aparelho.

Alias, Vivo e Tim fazem mais que isso: as duas operadoras começaram no último fim de semana a fazer demonstrações do iPhone 4 em algumas lojas suas.

E a Oi era a única que não havia inciado qualquer tipo de atividade de promoção para o smartphone da Apple. Até agora. No fim de semana ela também começou a cadastrar seus clientes para receberem informações sobre o iPhone.

Mas é bom lembrar que não se trata nem de pré-venda nem de reserva. Segundo informações que rolam na internet, todas as operadoras começarão a vender o aparelho ao mesmo tempo.

Por Maximiliano da Rosa





CONTINUE NAVEGANDO: