Novo smartphone será vendido exclusivamente pela TIM e terá compatibilidade com as redes 4G

Esta segunda-feira, 16 de março, foi marcada pelo anúncio oficial da Samsung, bem como da TIM onde as mesmas confirmaram o lançamento oficial do Galaxy J1 para o mercado brasileiro. Para quem ainda não o conhece, saiba que o Galaxy J1 é um smartphone de entrada e será vendido de forma oficial e exclusiva pela TIM. O preço sugerido é de R$ 679,00. Confira mais detalhes sobre o novo aparelho da Samsung na continuação desta matéria.

Um dos principais destaques do Galaxy J1 é, sem sombra de dúvidas, a sua compatibilidade com as redes 4G. Dessa forma, é possível ter acesso com bastante velocidade e qualidade a tais conexões sem a necessidade de adquirir um smartphone top de linha, ou seja, com preço altíssimo.

Além disso, se você é desses que ama fotos e não resiste a uma boa selfie, saiba que a Samsung fez um comunicado que vai lhe agradar bastante. Segundo a fabricante, o Galaxy J1 é um smartphone bastante indicado para selfies. Isso, pois o mesmo conta com nada menos que um flash LED em sua câmera principal, bem como dispõe de um sensor frontal de maior resolução. Tal sensor possui lentes grande-angulares que possibilitam o aumento da área de captura de uma selfie.

Logo abaixo você poderá conferir a ficha técnica do Samsung Galaxy J1:

– Processador: Quad-core 1,2 GHz;

– RAM: 768 MB;

– Armazenamento: 4 GB + espaço para micro SD de até 64 GB;

– Tela: 4,3’’ TFT (800×480);

– Câmeras: traseira de 5 MP com autofoco e flash, e frontal de 2 MP;

– Conectividade: 4G, Bluetooth 4.0, WiFi e WiFi Direct;

– Dimensões e peso: 129 x 68,2 x 8,9mm e 130g;

– Bateria: 1.850 mAh;

– Sistema Operacional: Android KitKat 4.4.

Outro detalhe muito importante é quanto à compatibilidade com dois chips, algo bastante interessante para clientes de mais de uma operadora.

A expectativa da TIM é que a mesma tenha o dispositivo disponível para venda em grande parte de suas lojas físicas até o final do mês de março.

Por Bruno Henrique

Samsung Galaxy J1

Samsung Galaxy J1

Fotos: Divulgação


Foi anunciado recentemente pela TIM o lançamento de um plano de parceria com o WhatsApp – aplicativo de mensagens instantâneas que tem grande uso no brasil –  o Controle WhatsApp. Esse novo modelo de oferta permite que o usuário envie mensagens de texto e voz, fotos e vídeos de forma ilimitada por meio do aplicativo sem que isso cause descontos na franquia mensal do usuário.

Esse novo pacote está voltado para os clientes que consomem prioritariamente dados e terá um custo de R$ 29,90 mensais. Está incluso SMS ilimitados para qualquer operadora, 300 MB de internet, e R$ 10,00 em créditos para que o cliente desfrute da maneira que achar melhor, inclusive para ligações.

Os clientes também poderão realizar chamadas para números TIM de forma ilimitada e pagando apenas no dia que usar. Também há a opção de acrescentar R$ 12,00 mensais para ligar a vontade para qualquer TIM do Brasil. Os valores podem ser debitados diretamente no cartão de crédito ou na fatura.

"A TIM novamente sai na frente ao firmar a parceria com o WhatsApp, o serviço de mensagem mais utilizado no país. Este movimento reforça ainda o DNA inovador da empresa ao priorizar o uso de dados, seguindo a tendência de comportamento dos consumidores e revolucionando o mercado. Hoje, só na nossa base de clientes, quase 50% dos usuários já trafegam dados. Isso se traduz em ainda mais benefícios para os clientes Controle WhatsApp, que poderão se comunicar com usuários de todas as operadoras de forma ilimitada", diz Roger Solé, CMO da TIM Brasil.

“O WhatsApp tem o prazer de realizar esta parceria com a TIM, que apresenta esta oferta exclusiva para usuários do Brasil. Com mais de 600 milhões de usuários ativos em todo o mundo, nós continuamos focando em ajudar as pessoas a ficarem conectadas de uma forma que se tornou parte do dia a dia”, diz Brian Acton, um dos fundadores do WhatsApp.

Por Diovana Nunes Leite

TIM e WhatsApp

TIM e WhatsApp

Fotos: Divulgação


A TIM Participações S.A. obteve, nesse terceiro trimestre do ano, um aumento líquido em suas receitas de 10,6%. Esta elevação nos lucros se deve às receitas de pacotes de dados (referente à internet) que tiveram um aumento considerável, enquanto a taxa de interconexão (serviços de voz) vem sendo cada vez menor entre os usuários.

Em valores, os ganhos da empresa neste 3º trimestre de 2014 alcançaram a marca dos R$ 348,3 milhões, um lucro superior aos R$ 342 milhões que vinham sendo esperados por analistas da empresa. Já no ano passado, o faturamento dentro do mesmo período foi de R$ 315 milhões.

Se comparado aos ganhos dos nove primeiros meses do ano anterior, até o momento foi registrado um recuo de 4,5% no índice geral de lucros da empresa durante esse ano, onde o montante adquirido é de R$ 4,853 bilhões. Essa baixa em seus rendimentos foi atribuída à diminuição da taxa de interconexão (VU-M) e também à utilização mínima do serviço de SMS da operadora pelos clientes.

A TIM informou ainda que o faturamento líquido de serviços chegou a uma queda de 3,8% em relação a 2013 e os lucros da empresa não ultrapassaram os R$ 4,045 bilhões até o momento nesse ano.

Quanto aos serviços de dados, a companhia não tem do que reclamar. Com um aumento de 23%, a receita bruta contabilizada esse ano já chega a R$ 1,68 bilhão, o que representa 29% da receita de todos os serviços móveis oferecidos. O número de clientes utilizando os serviços de dados também aumentou em 32% em relação ao ano anterior.

Para a operadora de telefonia móvel, a alta apresentada nos lucros dos serviços de dados da empresa foi o resultado do aumento da sua base de clientes, da utilização de dados e de Serviço de Valor Agregado (SVA), e também pelo uso de aparelhos smartphones em sua rede.

Outros números divulgados sobre o faturamento do 3º trimestre da empresa mostram ainda um aumento de 6,4% do Ebitda nesse mesmo período, em comparação a 2013, o que representa um lucro de R$ 1,332 bilhão.

O ARPU (Average Revenue Per User) – receita média por cliente no Brasil – teve uma queda 6,3% em seu rendimento, devido a baixa da taxa de interconexão no ano.

E ainda sobre esse terceiro trimestre de 2014, houve uma redução das despesas operacionais, que somaram, no período, R$ 3,521 bilhões, representando uma queda de 8,1%.

Por  André F.C.

Foto: divulgação


A Justiça de Jales condenou a prestadora TIM a pagar uma indenização de R$ 5 milhões a instituições de caridade e outra indenização de R$ 6 mil ao cliente que entrou com uma ação contra a prestadora. A indenização de R$ 5 milhões é referente à reparação de danos sociais e o valor será doado a duas casas de saúde. Já a indenização de R$ 6 mil ao cliente se referente a danos morais.

O motivo da ação foi as interrupções das chamadas cobertas pelo plano Infinity Pré, em que a empresa oferece o valor da chamada a R$ 0,25 e R$ 0,50. Contudo, as chamadas eram interrompidas pouco depois de serem iniciadas.

A consumidora que entrou na Justiça conseguiu provar que a prestadora interrompia seguidamente as ligações. Elas duraram cerca de 5, 8 e 10 segundos, fazendo com que o cliente tivesse que realizar novas chamadas, pagando por novas tarifas, que apesar de serem cobertas pelo plano são mais caras.

A empresa já havia sido multada pela Anatel em maio, devido à má qualidade dos serviços prestados. Mesmo com a multa, não foi possível provar que a TIM derrubava as ligações de forma proposital, entretanto, mostrou que a empresa descumpriu os regulamentos que determinam padrões de qualidade que devem ser cumpridos pelas prestadoras de telefonia móvel.

O juiz considerou que a prática da empresa fere os princípios do código de defesa do consumidor e que a propaganda Infinity é enganosa. A TIM informou que irá recorrer da decisão.

Por Robson Quirino de Moraes


Quase um ano após a Anatel ter suspendido a venda de chips das prestadoras TIM, Claro e Oi, o presidente João Rezende afirmou que as punições foram determinantes para uma melhora na prestação de serviços. Segundo João, o processo foi importante para a estabilidade dos serviços e que estão acompanhando as mudanças como um sinal positivo.

Entretanto, o número crescente de reclamações junto ao Call Center da Agência mostra que não houve uma melhora significativa. Desde julho de 2012 as empresas oscilaram quanto ao número de clientes insatisfeitos. A TIM que possuía cerca de 2 mil reclamações no ano passado, já apresentou 3,5 mil reclamações em abril, quando foi feita a última aferição. A Claro passou de 1,5 mil reclamações para 2,5 mil este ano. A Oi e a Vivo também tiveram mais reclamações por conta do serviço prestado.

Contudo, o número de reclamações não significa que houve piora nos serviços e sim que a população tem maior acesso a Anatel e passou a reclamar mais das prestadoras. Por essa razão é importante avaliar a real situação das prestadoras.

A medida cautelar que suspendeu a venda de chips destas prestadoras por 11 dias representou uma melhora no serviço, contudo é necessário mais investimentos por parte das mesmas.

Por Robson Quirino de Moraes


A operadora de telefonia TIM lançou recentemente um serviço para compartilhamento em nuvem para pequenas e médias empresas.

O TIM CloudConnect permite o compartilhamento de dados através de uma plataforma móvel e seu objetivo principal é facilitar a vida das empresas que precisam realizar esse tipo de troca frequentemente.

O sistema foi desenvolvido com foco na gestão de contatos, armazenamento de arquivos e interação entre usuários. Com isso, o funcionário e os administradores têm em mãos uma ferramenta que se apresenta como um diferencial no relacionamento com seus clientes.

Por enquanto, o serviço é disponível apenas para Apple devices, e em um período breve estará disponível também para Android. O custo é de R$ 9,90 mensais por linha e é gratuito para teste no primeiro mês. 

Sistemas de compartilhamento em nuvem se apresentam como uma alternativa já consolidada para o armazenamento de dados e acesso a aplicativos e plataformas de processamento de forma remota. É possível a utilização de programas sem a necessidade de instalação, além de outras possibilidades.

É de se esperar que serviços como esse se multipliquem em pouco tempo por todo o mundo. 

Por Bruno Hardt


A TIM confirmou na última sexta-feira (dia 7 de dezembro) os valores do iPhone 5 no Brasil e já colocou o produto em pré-venda em sua loja online. Segundo a operadora, o smartphone na versão de 16 GB chega às lojas por R$ 2.399, já a versão de 32 GB será vendida por R$ 2.699 e a de 64 GB por R$ 2.999. Os valores são menores ainda do que os cobrados em 2011 pelo iPhone 4S.

A operadora está vendendo o celular em seu site oficial, mas apenas o modelo com 32 GB está disponível. Segundo o site da TIM, o produto será entregue no dia 14 de dezembro, data do lançamento oficial do aparelho no Brasil.

Ainda que esteja bem caro, a nova versão do iPhone chega ao mercado nacional por um preço bem menor ao cobrado pela versão 4S do aparelho no ano passado, pois a TIM o vendia na versão de 16 GB por R$ 2.600 e a versão com 64 GB era vendida por R$ 3.400.

A Apple revela com isso que mantém o preço de seus produtos alto, pois este ano outros lançamentos top de linha não chegaram ao mercado com um valor tão elevado assim. Um grande exemplo disso é o Galaxy S3, o smartphone mais vendido do ano, que chegou ao país custando R$ 2.000.

Por Felipe Santos Bonfim


A TIM acaba de obter a ampliação de duas importantes certificações internacionais referentes à qualidade e meio ambiente, que demonstram os esforços contínuos da companhia na melhoria de serviços e processos e seu compromisso com uma gestão sustentável.

A primeira é a certificação ambiental ISO14001:2004, voltada para as atividades de “Gerenciamento e Operação de Rede da TIM Celular”, que foi estendida para todo o Estado do Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo. A TIM segue como única empresa de telefonia celular no Brasil a deter essa certificação, que estabelece as diretrizes para tratar a questão ambiental dentro da empresa.

A segunda ampliação foi da ISO9001:2008, referente à qualidade em “Gerenciamento de Rede da TIM Celular”. O título foi estendido para todo território nacional onde ocorrem os processos de rede da TIM e engloba os processos internos da companhia voltados para melhoria contínua e com foco no cliente. Antes, a certificação cobria os Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia e Sergipe.


A operadora Tim tomou uma iniciativa esta semana cuja imitação pode ser muito bem vinda para muitos familiares de pessoas que moram no Japão.

A empresa anunciou que não cobrará de seus clientes as ligações feitas (com o código DDI 41) para o país, em virtude das recentes tragédias ali ocorridas.

Essa medida vale tanto para cliente de planos pré quanto pós-pagos e terá vigência entre 20 a 31 de março de 2011, valendo para ligações com duração ilimitada e sem a necessidade de realização de cadastro prévio para usufruir do benefício.

Outra boa iniciativa é que nem as ligações feitas a partir de um telefone fixo usando o DDI 41 da Tim serão tarifadas no período.

Seguindo a mesma tendência, a Telefônica decidiu reduzir o valor das ligações realizadas para o Japão, passando de R$ 2,00 para R$0,10 o custo por minuto de ligação.

 Por Alberto Vicente 


A partir de agora os usuários de celular têm mais uma opção de loja para baixar aplicativos. Especialmente os clientes da TIM que tenham algum modelo de celular com acesso à Java. Chamada de TIM AppShop, a loja conta com cerca de 500 aplicativos para download compatíveis com mais de 100 aparelhos diferentes de diversas marcas.

A TIM AppShop foi criada em parceria com a fabricante de chips Qualcomm, e tem o objetivo de ser opção para usuários que tenham aparelhos mais simples, ou seja, que não sejam smartphones. Com os aplicativos disponíveis será possível expandir a capacidade dos aparelhos através de aplicativos para os mais variados fins.

Uma das vantagens da loja de aplicativos da TIM sobre as demais é que o usuário poderá pagar a assinatura do aplicativo. Isso quer dizer que no caso de se trocar o aparelho e manter o chip, será possível baixar o mesmo aplicativo sem pagar nada.

Além disso, o tráfego de dados gerado para baixar o aplicativo para o celular não será cobrado.

Por Maximiliano da Rosa





CONTINUE NAVEGANDO: